Papa reorganiza banco do Vaticano e remove quatro cardeais, incluindo brasileiro

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Entre nomes substituídos está o de Odilo Scherer. Objetivo é mudar instituição atingida por escândalos recentes

Reuters

O papa Francisco promoveu nesta quarta-feira uma reorganização no banco do Vaticano, instituição atingida por escândalos, removendo quatro dos cinco cardeais que compõem um conselho de supervisão, numa ruptura do status quo financeiro clerical deixado pelo seu antecessor.

Conheça a home do Último Segundo

AP Photo/Gregorio Borgia
Na Basílica São Pedro, no Vaticano, papa Francisco celebra missa em comemoração ao nascimento de Jesus (24/12)

Aceno a conservadores: Papa diz que aborto prova 'cultura do descartável'

Entre os nomes substituídos está o do arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer. Além dele, foram removidos o indiano Telesphore Toppo e os italianos Domenico Calcagno e Tarcisio Bertone, ex-secretário de Estado do Vaticano.

Essa foi a medida mais recente do papa para colocar sob controle uma instituição que tem sido fonte de constrangimentos para a Santa Sé e que ele prometeu reformar ou fechar.

Os quatro cardeais foram removidos depois de cumprir apenas 11 meses dos seus mandatos de cinco anos como comissários que começaram sob o papado de Bento 16, que renunciou em fevereiro.

Novembro: Papa nomeia secretário pessoal para supervisionar banco do Vaticano

As mudanças ocorreram à medida que Francisco se aproxima de completar um ano como papa, um período marcado por austeridade e sobriedade, destacado por sua decisão de trocar os aposentos papais por um mais modesto.

A nova equipe inclui dois cardeais - Christopher Collins, de Toronto, e Christoph Schoenborn, de Viena - de dioceses relativamente ricas. Os dois lidam bastante com temas financeiros. Os outros são o arcebispo Pietro Parolin, o novo secretário de Estado do Vaticano, que virará cardeal no mês que vem, e Santos Abril y Castillo, espanhol baseado em Roma e amigo do papa.

Agosto: Papa reforça medidas contra corrupção e lavagem de dinheiro

Analistas e autoridades da Igreja o acusam pela supervisão falha que levou aos escândalos da época de Bento 16, incluindo o vazamento de documentos pessoais do papa por seu mordomo.

Bertone tem defendido o seu retrospecto se dizendo vítima de "acusações anônimas e rumores". O cardeal Domenico Calcagno também foi removido. Ele comandava outro departamento financeiro, que sofre auditoria externa. Magistrados italianos suspeitam de irregularidades financeiras.

Francisco não descartou fechar o banco se ele não puder ser reformado. A comissão de cardeais monitora as contas e aprova as estratégias do banco, além de agir como uma ligação entre o papa e a superintendência da instituição.

*Com Reuters

Leia tudo sobre: papapapa franciscobanco vaticano

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas