Nomeação para cardeal é uma graça divina, diz Dom Orani

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Arcebispo do Rio faz parte de grupo de 19 religiosos que assumem como cardeais em 22 de fevereiro no Vaticano

Agência Estado

Reprodução
Dom Orani Tempesta em foto de 2005

O arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, da Ordem Cisterciense, disse que a sua nomeação como cardeal, anunciada neste domingo pelo papa Francisco, é uma graça divina e ao mesmo tempo lhe dará mais responsabilidade na Igreja Católica.

Conheça a home do Último Segundo

19 cardeais: Papa anuncia brasileiro Dom Orani Tempesta como cardeal

"Em minha indignidade tenho certeza de que a graça de Deus não me faltará para poder bem servir à Igreja nessa dimensão universal que é a dimensão do cardinalato", afirmou em entrevista a veículos de comunicação da Arquidiocese, disponível no site da instituição.

"Peço a todos que continuem rezando por mim para que possa continuar servindo a Deus, à Igreja, como tenho servido até hoje, mas agora com essa responsabilidade maior, que se une às que já desenvolvo."

Segundo a Arquidiocese, no momento do anúncio Dom Orani estava nos estúdios da TV Brasil no Rio de Janeiro para celebrar missa. O religioso contou que foi "pego de surpresa" com a notícia: "Quando soube, estava no carro, indo para um compromisso, após rezar uma missa às 8 horas", contou. "Deu um frio na barriga, porque é uma nova responsabilidade, mas depois a gente se refaz e vai aceitando a graça de Deus", afirmou.

Repercussão: Dilma diz que nomeação de Dom Orani é uma alegria

Dom Orani considera que o sucesso da Jornada Mundial da Juventude, evento promovido no Rio em 2013 e que contou com a participação do papa Francisco, não foi o fator decisivo para sua nomeação como cardeal, mas ajudou. "A proximidade e o contato pessoal com o papa fazem diferença", afirmou.

AP
Arcebispo Dom Orani João Tempesta dá sermão no Dia Mundial da Juventude, Rio (12/7/2013)

O arcebispo ainda não sabe se vai ocupar algum cargo no Vaticano. "Os cargos vamos saber depois. Primeiro vem a notícia, depois o serviço." Por enquanto, a nomeação não deve mudar significativamente sua rotina de trabalho no Rio, a não ser pelo fato de que Dom Orani deverá viajar mais vezes a Roma para reuniões com o papa e com outros cardeais.

A nomeação oficial será em 22 de fevereiro, mas Dom Orani deve viajar para o Vaticano uma semana antes, para reuniões.

Neste domingo, Dom Orani circula por igrejas da zona sul do Rio para a Trezena de São Sebastião. Ele esteve na Cruzada de São Sebastião, no Leblon, na igreja Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, e ao meio-dia iniciou a celebração de uma missa na igreja da Ressurreição, no mesmo bairro.

Dom Orani: Nomeação para cardeal é uma graça divina

Às 14 horas estava previsto que ele seguisse para uma capela na favela do Pavão-Pavãozinho, também em Ipanema, e às 18 horas estará no monumento do Cristo Redentor. Segundo a Igreja, essa programação foi definida antes do anúncio da nomeação como cardeal.

Com Dom Orani, o papa Francisco nomeou neste domingo 19 novos cardeais vindos da Ásia, África, América do Norte e do Sul, dentre eles o italiano Dom Lorenzo Baldisseri, que foi Núncio Apostólico no Brasil.

O último consistório público, convocado pelo Papa Bento 16, para a criação de seis novos cardeais, foi realizado no dia 24 de novembro de 2012. Até então, o Brasil tinha 20 cardeais. O primeiro, também da America Latina, em 1905, foi o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Joaquim Arcoverde de Albuquerque Cavalcanti (1850-1930).

Antes da nomeação dos cardeais, o papa Francisco celebrou o batizado de 32 bebês na Capela Sistina. Veja galeria de fotos da cerimônia:

Papa Francisco realiza batismo de bebê durante cerimônia no Vaticano. Foto: L' Osservatore Romano/ APPapa Francisco abençoa bebê durante batismo no Vaticano. Foto: APPapa Francisco batiza criança na Capela 
Sistina, Vaticano
. Foto: APPapa Francisco abençoa bebê durante batismo no Vaticano
. Foto: L' Osservatore Romano/ APFoto mostra pia batismal usada em cerimônia na Capela Sistina, Vaticano. Foto: APPapa Francisco deixa Capela Sistina após realizar cerimônia de batismo de 32 bebês no Vaticano. Foto: L' Osservatore Romano/ AP

*Com Agência Estado

Leia tudo sobre: papa franciscodom oranivaticanoigreja católicacardeal

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas