Governantes europeus lamentam morte de Ariel Sharon

Por Agência Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em um breve comunicado, o primeiro-ministro do Reino Unido destacou que 'Israel perdeu um líder importante'

Agência Brasil

Governantes de países europeus lamentaram a mortedo ex-primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, ocorrida neste sábado (11), e lembraram momentos importantes da trajetória do ex-premiê. A imprensa internacional também repercutiu a morte de Sharon, que estava em estado vegetativo desde 2006, quando sofreu um acidente vascular cerebral (AVC).

Conheça a home do Último Segundo

Ex-primeiro-ministro: Morre Ariel Sharon aos 85 anos

AP
Foto de 30/1/2005 mostra o então primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, em reunião em Jerusalém

Em um breve comunicado, o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, destacou que “Israel perdeu um líder importante”. Cameron acrescentou que, quando foi chefe de governo, Sharon tomou “decisões valentes e controversas na busca da paz”.

A chanceler alemã Angela Merkel apresentou suas condolências a Israel pela morte de Sharon, a quem chamou de "um patriota” que tomou a “decisão valente” de evacuar os colonatos judaicos na Faixa de Gaza. Essa decisão, em 2005, constituiu um “passo histórico” no caminho da paz, acrescentou.

O presidente da França, François Hollande, disse que Israel perdeu um “ator maior na história do país”. “Depois de uma grande carreira militar e política, ele escolheu o diálogo com os palestinos”, registrou Hollande. Em mensagem ao governo israelense, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, destacou as qualidades pessoais de Sharon e o importante papel dele na defesa do seu país e também das "relações de amizade russo-israelitas".

O então premiê eleito Ariel Sharon visita o Muro das Lamentações, em Jerusalém, em 2001. Foto: APGeneral Ariel Sharon (D) revisa mapa com general Haim Bar-Lev no Deserto do Sinai durante guerra de 1973 (10/10/1973). Foto: APGeneral Ariel Sharon sorri para produtor agrícola egípcio em vila perto de Ismailia, Egito (23/10/1973). Foto: APEx-premiê Ariel Sharon em foto de dezembro de 2005. Foto: APMinistro da Defesa de Israel, Ariel Sharon, dirige blindado em direção aos arredores de Beirute, no Líbano (15/6/1982). Foto: APChanceler Ariel Sharon é visto perto do líder palestino Yasser Arafat em Maryland. Sharon não o olhou ou o cumprimentou com aperto de mão (21/10/1998). Foto: APSoldado israelense mantém dedo no gatilho enquanto ex-ministro da Defesa Ariel Sharon fica em ponte sobre o Rio Awali, em Sidon, Líbano (7/3/1984). Foto: APPremiê Ariel Sharon é visto com o presidente dos EUA, George W. Bush, e o premiê palestino, Mahmud Abbas, em Aqaba, Jordânia (4/6/2003) . Foto: APPremiê de Israel, Ariel Sharon (E), conversa com vice-premiê Shimon Peres antes de sessão no Parlamento, em Jerusalém (12/1/2005). Foto: APAriel Sharon (E) senta-se ao lado de sua mulher, Lily, e seus filhos, Gilad (a seu lado) e Omri (ao lado da mãe) na Cisjordânia em 1977. Foto: Reuters

A imprensa internacional também repercutiu a morte de Sharon. No site do jornal americano The New York Times, acima de uma foto de Sharon, estava o título "Morre feroz defensor de uma Israel forte". O site do espanhol El País noticiou que morreu um dos líderes militares que colocaram Israel em diversas guerras contra países árabes. O argentino La Nación diz que Ariel Sharon foi um dos políticos mais bem-sucedidos e controversos da história de Israel. O francês Le Monde traz o título "Ariel Sharon, 'o guerreiro', está morto".

Quando entrou em coma permanente, Sharon exercia o cargo de primeiro-ministro, que assumiu em março de 2001, sendo substituído por Ehud Omert. Ele morreu aos 85 anos e a imprensa israelense já havia divulgado que Sharon sofria de insuficiência renal.

Leia tudo sobre: morteisraelariel sharon

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas