Iêmen prende nove membros da Al Qaeda por plano para matar presidente

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Intenção do grupo era de detonar a bomba remotamente e matar Abd-Rabbu Mansour Hadi, mas o dispositivo foi encontrado e desarmado pelas forças de segurança

Reuters

Um tribunal do Iêmen condenou nove membros da Al Qaeda à prisão com penas entre dois e 10 anos neste domingo, por conspirarem para assassinar o presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, segundo matéria da agência de notícias do país, a Saba. O Iêmen enfrenta um dos braços mais ativos da Al Qaeda, conhecido como Al Qaeda da Península Árabe (AQAP, na sigla em inglês), que tem sido frustrada em várias tentativas de ataques contra alvos ocidentais, inclusive aviões comerciais.

Conheça a home do Último Segundo

A acusação disse que o grupo, que também foi condenado por planejar assassinar várias autoridades militares e sequestrar estrangeiros, plantou um explosivo este ano em uma estrada usada por Hadi em seu caminho ao palácio presidencial. A intenção do grupo era de detonar a bomba remotamente e matar Hadi, mas o dispositivo foi encontrado e desarmado pelas forças de segurança, disseram os promotores.

Leia mais:

Iêmen diz ter frustrado plano da Al-Qaeda para atacar portos

Combates na região norte do Iêmen matam mais de 120 pessoas

Militantes lançam ataque duplo contra Ministério da Defesa do Iêmen

Esta foi uma das várias tentativas de ataque contra Hadi, que foi eleito em fevereiro de 2012 depois que seu predecessor de longo mandato, Ali Abdullah Saleh, deixou o cargo como parte de um acordo de transferência de poder apoiado pelos Estados Unidos. A saída de Saleh deu fim a meses de protestos populares contra suas três décadas no poder.

A estabilização do Iêmen, que também enfrenta dificuldades com separatistas ao sul e rebeldes ao norte, é uma prioridade internacional por causa de temores sobre o caos em um país que flanqueia o maior produtor de petróleo do mundo, a Arábia Saudita, e importantes rotas comerciais marítimas.

Leia tudo sobre: MUNDOORMEDIEMENALQAEDAterrorismoataque terrorista

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas