Governo da Tailândia rejeita adiar eleição de fevereiro

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Governo rejeita sugestão de comissão e afirma que votação ocorrerá apesar de confrontos com manifestantes

Reuters

O governo da Tailândia rejeitou nesta quinta-feira uma proposta da Comissão Eleitoral do país pelo adiamento das eleições de fevereiro e garantiu que a votação será realizada como planejado, apesar dos confrontos entre a polícia e manifestantes contrários ao governo.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Manifestante antigoverno (C) é detido por tropa de choque durante confrontos em estádio em Bangcoc, Tailândia

Dia 9: Premiê da Tailândia dissolve Parlamento e convoca eleições

A Comissão Eleitoral da Tailândia pediu ao governo o adiamento da eleição até que haja o "consentimento mútuo entre todas as partes correlatas". Os manifestantes afirmam que não vão permitir uma eleição até que a primeira-ministra Yingluck Shinawatra renuncie.

"A eleição de 2 de fevereiro vai acontecer", disse o vice-premiê Pongthep Thepkanchana em discurso transmitido pela TV. "Não há nenhuma lei que autorize o governo a adiar a eleição."

Houve confrontos nesta quinta-feira entre a tropa de choque da polícia e manifestantes.

Um policial morreu e três ficaram feridos por tiros disparados durante o confronto, iniciado quando a tropa de choque usou gás lacrimogêneo e balas de borracha contra manifestantes que atiravam pedras e tentavam invadir o local onde haveria um sorteio de números eleitorais.

Cerca de 40 manifestantes foram hospitalizados, a maioria por inalar gás, mas vários também com ferimentos causados pelas balas de borracha, segundo o Ministério da Saúde.

Leia tudo sobre: tailândiayingluck shinawatra

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas