Raúl Castro pede 'relações civilizadas' entre Cuba e os EUA

Por BBC |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente de Cuba deu declaração depois de um aperto de mão público com Barack Obama no funeral de Mandela

BBC

O presidente de Cuba, Raúl Castro, fez um pedido para que se estabeleçam "relações civilizadas" com os Estados Unidos, dizendo que os dois países devem respeitar suas diferenças.

O líder cubano, irmão de Fidel Castro, afirmou ainda que os EUA deveriam abandonar suas exigências de mudança do regime, para que os dois países possam continuar trabalhando para melhorar suas relações.

Conheça a home do Último Segundo

Fidel: 'Sr. presidente, sou Castro', disse Raúl ao apertar mão de Obama

Reuters
Dilma observa o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, cumprimentar o presidente cubano, Raul Castro

Seus comentários ocorrem depois de um aperto de mão público com o presidente Barack Obama no funeral de Nelson Mandela, na África do Sul, no início de dezembro.

Os EUA romperam relações com Cuba em 1961, depois da revolução na ilha, e mantém um embargo econômico contra o país.

'Respeito mútuo'

Em um discurso público incomum, o presidente Castro revelou que funcionários cubanos e americanos se reuniram diversas vezes durante o último ano, para discutir assuntos práticos como imigração e um reestabelecimento de um serviço de correio entre os países.

Isso demonstra que as relações podem ser civilizadas, disse Castro.

Dia 10: Obama troca aperto de mão com presidente de Cuba

Dia 15: Corpo de Nelson Mandela é enterrado

No entanto, ele advertiu que "se realmente queremos avançar nas relações bilaterais, teremos que aprender a respeitar mutuamente nossas diferenças e nos acostumarmos a conviver pacificamente com elas". Caso contrário, disse ele, os cubanos estariam dispostos a outros 55 anos como os anteriores.

"Não pedimos que os Estados Unidos mudem seu sistema político e social, nem aceitamos negociar o nosso", afirmou Castro aos deputados durante a última sessão do ano da Assembleia Nacional.

As relações entre os dois vizinhos melhoraram um pouco recentemente, mas ainda há obstáculos para uma reconciliação, disse a correspondente da BBC em Havana, Sarah Rainsford.

Reformas

Desde que Raúl Castro recebeu o poder de seu irmão Fidel, em 2006, ele deu início a um programa de reformas econômicas que ajudaram a relaxar as tensões com os EUA.

No entanto, os críticos dizem que as mudanças estão sendo muito lentas.

"Os que nos pressionam para andarmos mais rápidos querem nos levar ao fracasso", argumentou Castro em seu discurso.

As reformas, segundo ele, pretendem "atualizar" o modelo socialista, mas não devem incluir pacotes de ajuste econômico, ao modelo europeu.

"Nunca admitiremos em Cuba terapias de choque revolucionárias como as que estamos vendo na rica e dita culta Europa, que mergulhariam o país em um clima de divisão e desestabilidade que sirva de pretexto para aventuras intervencionistas contra a nação."

Entre as mudanças mais recentes está o anúncio do fim das restrições à compra e venda de carros particulares novos e usados.

Agora, qualquer indivíduo com dinheiro suficiente poderá comprar um veículo de uma concessionária estatal. Até então, só pessoas que tinham autorizações especiais podiam fazê-lo.

O líder cubano não mencionou o aperto de mão com Barack Obama, mas a cena gerou expectativas sobre um avanço nas relações bilaterais.

Leia tudo sobre: raul castroobamacubaeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas