Presidente russo concede indulto a ex-magnata do petróleo Khodorkovsky

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Medida é vista como nova tentativa de Putin de melhorar imagem da Rússia antes de Olimpíadas de Inverno de Sochi

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, assinou nesta sexta-feira um decreto concedendo indulto a um de seus adversários mais conhecidos, o ex-magnata do petróleo Mikhail Khodorkovsky, que foi descrito como seu arquirrival.

Conheça a home do Último Segundo

AP
Mikhail Khodorkovsky é visto atrás de um vidro em tribunal de Moscou, na Rússia, em 2010


Porta-voz não confirma: Ex-magnata libertado viajou para Alemanha, diz Rússia

Preso há uma década: Presidente russo perdoará ex-magnata Khodorkovsky

Khodorkovsky passou os últimos dez anos na prisão sob as acusações de evasão fiscal e fraude. Sua prisão em 2003 e seu subsequente processo foram amplamente considerados uma retaliação de Putin ás ambições políticas de Khodorkovsky.

Os críticos do Kremlin dizem que Khodorkovsky, de 50 anos, foi punido por contestar Putin. Segundo eles, a punição teve o objetivo de manter na linha outros magnatas e aumentar o controle do Estado sobre os lucros do petróleo.

Assistente de juiz: Julgamento de magnata russo teve fraude

Putin anunciou na quinta-feira que indultaria Khodorkovsky, que já foi o homem mais rico da Rússia e é considerado por críticos ao Kremlin um preso político.

Ele afirmou que Khodorkovsky "passou mais de dez anos na prisão. É uma pena séria", acrescentando que concederá o perdão "em breve". Representantes do ex-magnata, porém, negam que ele tenha apresentado qualquer apelação.

Putin, que parece ter tomado a medida em resposta às críticas ocidentais sobre a situação dos direitos humanos na Rússia antes da realização dos Jogos Olímpicos de Inverno em Sochi, disse no decreto que a decisão de conceder o indulto a Khodorkovsky foi "guiada pelos princípios da humanidade".

Quarta: Rússia aprova anistia que deve beneficiar brasileira do Greenpeace

Em mais uma iniciativa como parte do esforço para melhorar o histórico do país em relação aos direitos humanos, a Duma (câmara baixa do Parlamento da Rússia) aprovou na quarta-feira uma anistia que, segundo advogados, permitirá libertar dois membros da banda punk Pussy Riot e livrar de um processo judicial 30 presos em um protesto do Greenpeace contra a exploração de petróleo no Ártico, incluindo a brasileira Ana Paula Maciel.

O grupo de 30 ativistas foi solto da prisão após dois meses, e agora pode ser absolvido das acusações de vandalismo em decorrência da anistia aprovada na quarta-feira.

*Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: khodorkovskyputinrússiaindulto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas