Sem pedido oficial, Brasil não considera asilo a Snowden, diz governo

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ministério de Relações Exteriores faz declaração após ex-técnico da CIA elogiar posição do Brasil sobre espionagem

O Brasil não está considerando oferecer asilo a Edward Snowden, mesmo depois de o ex-prestador de serviço da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos EUA ter dito que sua situação legal lhe impede de ajudar ajudar o Brasil nas investigações sobre o monitoramento americano no País, afirmou o Ministério das Relações Exteriores nesta terça-feira.

Conheça a home do Último Segundo

Greenwald: Snowden não faz novo pedido de asilo em carta ao Brasil

AP
TV de Hong Kong mostra entrevista com Edward Snowden, ex-técnico da CIA (23/6)

Saiba mais: Relembre as principais denúncias sobre a espionagem dos EUA

O governo brasileiro não recebeu nenhum novo pedido oficial de Snowden, disse um porta-voz do Itamaraty. Sem um pedido formal, o asilo não será considerado, acrescentou.

Quando as primeiras denúncias sobre espionagem dos EUA vieram à tona, Snowden requisitou asilo político a 21 países, entre os quais o Brasil, que na época rejeitou responder ao pedido. Também na América Latina, Bolívia, Nicarágua e Venezuela afirmaram que acatariam a requisição. Atualmente Snowden vive na Rússia com um asilo temporário de um ano.

Carta ao Brasil: Espionagem indiscriminada dos EUA está ruindo, diz Snowden

Na carta, em que elogia a posição firme do Brasil contra as denúncias de espionagem, Snowden lembra que muitos senadores pediram sua ajuda para investigar "supostos crimes cometidos contra os cidadãos brasileiros".

"Expressei minha vontade de ajudar quando for apropriado e legal, mas, infelizmente, o governo dos EUA trabalhou muito duro para limitar minha habilidade de fazê-lo", afirma Snowden na mensagem intitulada "Carta Aberta ao Povo Brasileiro", acrescentando: "Até que um país me conceda asilo político, o governo dos EUA continuará interferindo em minha habilidade de falar."

Saiba mais: Leia todas as notícias sobre a espionagem no País

O americano denunciou neste ano ações de espionagem eletrônica dos EUA em várias partes do mundo, incluindo as comunicações da presidente Dilma Rousseff.

"Muitos senadores brasileiros pediram minha ajuda com suas investigações sobre suspeita de crimes contra cidadãos brasileiros. Expressei minha disposição de auxiliar, quando isso for apropriado e legal, mas infelizmente o governo dos EUA vem trabalhando muito arduamente para limitar minha capacidade de fazê-lo", disse Snowden na carta, escrita originalmente em inglês, de acordo com o jornal.

Denúncias:
- Presidente Dilma 'foi alvo de espionagem dos EUA'
- Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

O Senado criou uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar as denúncias de espionagem da NSA no Brasil e quer ouvir Snowden. Parlamentares pediram permissão à Rússia para entrevistar Snowden, mas não receberam nenhuma resposta, disse um assessor parlamentar.

Em mensagem no Twitter, o senador Ricardo Ferraço (PMDB-ES), presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) do Senado, disse que "o Brasil não pode perder a oportunidade de conceder asilo a Edward Snowden, peça fundamental para desvendarmos o esquema de espionagem dos EUA".

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) também afirmou que o governo deveria conceder asilo a Snowden e que os EUA deveriam entender que a NSA violou direitos protegidos pela Constituição brasileira.

A versão original da carta em inglês também foi publicada na página no Facebook de David Miranda, parceiro do jornalista e blogueiro Glenn Greenwald, que foi o primeiro a publicar os vazamentos de Snowden.

Miranda iniciou uma campanha no site de petições online Avaaz para que o Brasil ofereça asilo a Snowden. Segundo a página na Internet, mais de 7 mil pessoas já apoiaram a petição.

Petição: Campanha coleta assinaturas por asilo a Snowden no Brasil

Na carta, Snowden também elogiou os esforços do Brasil na Organização das Nações Unidas para limitar a vigilância eletrônica. No mês passado, um comitê de Assembleia-Geral da ONU expressou preocupação com a espionagem de governos e o monitoramento de dados pessoais, após resolução apresentada conjuntamente por Brasil e Alemanha.

Autoridade: EUA apoiarão resolução de Brasil e Alemanha se houver consenso

Vazamentos feitos por Snowden mostraram os alvos e métodos de espionagem da NSA a partir do rastreamento de emails e monitoramento das comunicações, inclusive de outros líderes mundiais além de Dilma.

A presidente cancelou uma visita de Estado que faria a Washington em outubro após denúncia de que teve suas comunicações pessoais monitoradas pela agência americana, e atacou a espionagem dos EUA em discurso na ONU.

Empresas brasileiras, incluindo a Petrobras, e cidadãos brasileiros também teriam sido monitorados pela NSA, de acordo com os vazamentos feitos por Snowden.

Segunda: Juiz diz que coleta de dados telefônicos é provavelmente ilegal

Autoridades dos EUA, por sua vez, querem a extradição do ex-prestador de serviço para que ele possa responder às acusações de espionagem por ter revelado ilegalmente documentos secretos do governo.

Casa Branca: Snowden ainda enfrenta acusações criminais nos EUA

Na segunda-feira, o porta-voz da Casa Branca Jay Carney rejeitou a sugestão de que os EUA poderiam conceder anistia a Snowden se ele entregasse os documentos que estão em seu poder.

*Com Reuters

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas