Carta ao Brasil: Espionagem indiscriminada dos EUA está ruindo, diz Snowden

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Em mensagem, autor de vazamento de programa da NSA oferece ajudar governo brasileiro em troca de asilo político

Edward Snowden, ex-prestador de serviços da Agência Nacional de Segurança (NSA, na sigla em inglês), escreveu em uma longa "carta aberta ao povo do Brasil" que ele tem se inspirado com o debate global iniciado pela divulgação de milhares de documentos da NSA, afirmando que a cultura de espionagem global indiscriminada "está ruindo".

Conheça a home do Último Segundo

Greenwald: Snowden não faz novo pedido de asilo em carta ao Brasil

AP
Passageiros comem em uma cafeteria diante de TV passando notícias sobre Edward Snowden no aeroporto Sheremetyevo, Moscou (26/6)

Saiba mais: Relembre as principais denúncias sobre os programas de espionagem

Na carta, divulgada pelo jornal Folha de S.Paulo, Snowden elogia o governo brasileiro por sua forte posição contra a espionagem americana. Na carta, Snowden também lembra que muitos senadores pediram sua ajuda para investigar "supostos crimes cometidos contra os cidadãos brasileiros".

"Expressei minha vontade de ajudar quando for apropriado e legal, mas, infelizmente, o governo dos EUA trabalhou muito duro para limitar minha habilidade de fazê-lo", afirma Snowden na mensagem intitulada "Carta Aberta ao Povo Brasileiro", acrescentando: "Até que um país me conceda asilo político, o governo dos EUA continuará interferindo em minha habilidade de falar."

Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no País

O jornal britânico Guardian foi o primeiro a publicar informações sobre os programas de espionagem da NSA em junho, com base em alguns dos milhares de documentos que Snowden entregou ao jornalista americano baseado no Brasil Glenn Greenwald e sua parceira de reportagem Laura Poitras, uma cineasta dos EUA.

Denúncias:
- Presidente Dilma 'foi alvo de espionagem dos EUA'
- Petrobras teria sido alvo de espionagem dos EUA

Os documentos revelaram que o Brasil é o principal alvo da NSA na América Latina, espionagem que incluiu o monitoramento do celular da presidente Dilma Rousseff e a invasão da rede de comunicação interna da Petrobras.

As revelações irritaram Dilma, que em outubro cancelou uma visita como chefe de Estado a Washington. Ela também se uniu à Alemanha para pressionar a adoção, pela ONU, de uma resolução simbólica que busca estender os direitos de privacidade para todas as pessoas na era digital.

Autoridade: EUA apoiarão resolução de Brasil e Alemanha se houver consenso

Dilma também ordenou que o governo tomasse várias medidas, incluindo colocar cabos de fíbra ótica diretamente para nações da Europa e da América do Sul, em um esforço para distanciar o Brasil da base de internet centrada nos EUA, que, dizem especialistas, facilitou a espionagem da NSA.

Em sua carta, Snowden desconsiderou as explicações dadas pelos EUA ao governo brasileiro e a outros de que os metadados coletados em bilhões de emails e chamadas telefônicas eram mais "coletas de dados" do que monitoramento.

Rede Avaaz: Campanha coleta assinaturas por asilo a Snowden no Brasil

"Há uma grande diferença entre programas legais, uma espionagem legítima, e esses programas de monitoramente em massa que colocam populações inteiras sob um olho que a tudo vê e salva para sempre cópias (do material coletado)", escreveu. "Esses programas nunca foram sobre terrorismo: eles são espionagem econômica, controle social e manipulação diplomática. Eles são sobre o poder."

Os senadores brasileiros pediram a ajuda de Snowden durante audiências sobre o Brasil como alvo da NSA, um importante ponto de trânsito para cabos óticos transatlânticos que são hackeados. Tanto Greenwald quanto seu companheiro David Miranda falaram perante o Senado, e Miranda apoia uma campanha online para que o governo brasileiro conceda asito político a Snowden.

NYT: Chat criptografado e reunião secreta possibilitaram expor programa

Snowden, que vive na Rússia sob um asilo temporário de um ano, previamente já tinha pedido asilo ao Brasil e a outros 20 países. O Brasil rejeitou responder ao pedido. Também na América Latina, Bolívia, Nicarágua e Venezuela afirmaram que acatariam a requisição.

Vários membros do Congresso brasileiro pediram para que Snowden receba o asilo, para que assim possa auxiliar a investigação dos congressistas sobre a atividade da NSA no Brasil.

A carta surgiu um dia depois de um juiz distrital americano decidir que a ampla coleta de milhões de registros telefônicos de americanos pela NSA provavelmente viola a proibição constitucional à busca indiscriminada. O caso provavelmente deve passar por várias instâncias até chegar á Suprema Corte.

Casa Branca: Snowden ainda enfrenta acusações criminais nos EUA

"Há seis meses, eu revelei que a NSA queria ouvir o mundo inteiro", escreveu Snowden. "Agora, o mundo inteiro está ouvindo ao chamado e se expressando também. A cultura do monitoramento mundial indiscriminado, exposto em debates públicos e investigações reais em cada continente, está ruindo."

*Com AP

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas