Sudão do Sul impõe toque de recolher após 'tentativa de golpe'

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Atual presidente culpou os soldados leais a Riek Machar - vice-presidente que ele destituiu do cargo de em julho

Reuters

AP Photo/Pete Muller-File
Ex-vice-presidente do Sudão do Sul, Riek Machar (esq.), e o presidente, Salva Kiir, são de grupos étnicos diferentes

O presidente do Sudão do Sul, Salva Kiir, declarou toque de recolher na capital, Juba, nesta segunda-feira (16), depois de confrontos ocorridos durante a noite entre soldados de facções rivais que, segundo ele, foram desencadeados por uma "tentativa de golpe". Kiir culpou os soldados leais a Riek Machar - que ele destituiu do cargo de vice-presidente em julho - pelo começo da luta na capital, a qual se estendeu pela manhã e depois se acalmou.

Conheça a nova home do Último Segundo

Os dois homens são de grupos étnicos diferentes, os quais já haviam entrado em confronto no passado. Machar disse que pretende concorrer à Presidência. Tendo ao lado ministros e usando trajes de combate em vez das usuais roupas civis, Kiir declarou toque de recolher entre 18h e 6h, todas as noites, a começar desta segunda-feira.

Segundo Kiir, os confrontos irromperam depois que uma pessoa não identificada disparou tiros para o ar perto de uma conferência do partido governista. "Isso foi seguido por um ataque à sede do Exército do Sudão do Sul perto da Universidade de Juba por um grupo de soldados aliados ao ex-vice-presidente doutor Riek Machar e seu grupo. Esses ataques continuaram até esta manhã", disse ele.

Mais:
Sudão do Sul se torna o mais novo país do mundo
Conflitos tribais deixam ao menos 200 mortos no Sudão do Sul

"Contudo, eu gostaria de informar a vocês, pra começar, que o governo está em pleno controle da situação da segurança em Juba." Tiroteios e explosões eram ouvidos durante a noite pela cidade e se intensificaram pela manhã. Em grande parte os confrontos diminuíram por volta do meio dia. Testemunhas disseram que houve trocas esporádicas de tiros em algumas áreas e há forte presença militar na cidade. Pelo menos 10.000 civis buscaram refúgio nas instalações da Organização das Nações Unidas (ONU) na capital, disse um funcionário que não quis se identificar. 

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas