Jantjie queimou suspeitos de roubo até a morte ao incendiar pneus em volta de seus pescoços em 2003

O falso intérprete de sinais que atuou na cerimônia em homenagem a Nelson Mandela fez parte de um grupo de pessoas que abordou dois homens com uma televisão roubada e os queimou até a morte ao pôr fogo em pneus ao redor de seus pescoços, disse um dos primos do intérprete e três de seus amigos à Associated Press nesta segunda-feira.

Conheça a home do Último Segundo

O falso intérprete de sinais ao lado do presidente dos EUA, Barack Obama (10/12)
AP
O falso intérprete de sinais ao lado do presidente dos EUA, Barack Obama (10/12)

Federação:  Intérprete de sinais usado em cerimônia para Mandela era falso

Mas Thamsanqa Jantjie nunca foi a julgamento pelos assassinatos de 2003, assim como o foram outros suspeitos em 2006, porque as autoridades determinaram que ele não tinha condições mentais para ser submetido a julgamento, disseram os quatro. Eles insistiram em falar sob condição de anonimato por causa do fiasco envolvendo Jantjie na cerimônia do dia 10, que envergonhou profundamente o governo sul-africano e desatou uma investigação em alto nível para estabelecer como isso aconteceu.

Cerimônia de Mandela:  Intérprete de sinais culpa esquizofrenia por má atuação

Seu relato sobre as mortes condiz com a descrição do crime feita pelo próprio Jantjie em uma entrevista publicada no domingo pelo Sunday Times de Johanesburgo. "Era uma coisa da comunidade, o que você chama de justiça da multidão, e eu estava lá", afirmou ao jornal.

Governo sul-africano:  Empresa de intérpretes para surdos ‘mentia há anos’

Jantjie não estava em sua casa nesta segunda-feira, e o primo disse à AP que ele saiu com alguém em uma picape no domingo e que ainda não havia retornado. Seu celular tocou até acabar em uma caixa de voz dizendo que Jantjie não estava disponível.

Veja as imagens na cerimônia de homenagem a Mandela:

Em vez de responder a julgamento, Jantjie ficou internado por um período superior a um ano, disseram os quatro, para então voltar a viver em seu pobre bairro nos arredores de Soweto. Em determinado momento depois disso, ele começou a conseguir alguns trabalhos como intérprete de sinais em eventos do partido governista Congresso Nacional Africano.

Jantjie disse à AP na semana passada que tem esquizofrenia e alucinou, vendo anjos, enquanto fazia gestos incoerentes a uma distância ínfima do presidente Barack Obama e de outros líderes durante a cerimônia em um estádio de Soweto. Especialistas na linguagem de sinais disseram que seus braços e mãos faziam apenas gestos sem nexo.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.