Corpo de Mandela inicia jornada até povoado de seus ancestrais

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Enterro será neste domingo com participação de membros da família, líderes nacionais e convidados estrangeiros

Reuters

AP Photo
Corpo de Mandela é levado para Qunu, aldeia a 700 km de Joanesburgo.

O corpo de Nelson Mandela começou a ser levado neste sábado à região Eastern Cape, na África do Sul, para um funeral de Estado no domingo em sua aldeia natal depois da despedida do herói anti-apartheid pelo Congresso Nacional Africano (CNA).

Com músicas revolucionárias, alguns punhos levantados e tributos ao "camarada Mandela", o antigo movimento de libertação ao qual Mandela dedicou sua vida disse adeus a ele na base aérea de Waterkloof, na capital Pretória.

"Vá bem 'Tata', você fez sua parte", disse o presidente sul-africano e líder do CNA, Jacob Zuma, em um elogio no qual usou a palavra em Xhosa para "pai". Ele recordou a vida de Mandela como um combatente pela liberdade na luta contra a minoria branca, pela qual passou 27 anos na prisão. "Sempre vamos lembrar de você", disse Zuma, antes de gritar o slogan da luta do CNA: "Amandla" (Poder).

Leia também:

Infográfico: Nelson Mandela e a África do Sul

Obituário: Morre aos 95 anos Nelson Mandela, ícone antiapartheid da África do Sul

Frases de Nelson Mandela que marcaram o mundo

A despedida do CNA liderada por Zuma, que contou com a presença da viúva de Mandela, Graça Machel, e sua ex-esposa Winnie Madikizela-Mandela, ocorreu depois de nove dias intensos de luto e atividades fúnebres carregadas de emoção, realizada em Joanesburgo e Pretória.

Isso incluiu três dias de velório em Pretória, de quarta a sexta-feira, no qual mais de 100 mil pessoas ficaram por horas nas filas para dar o último adeus ao primeiro presidente negro da África do Sul.

Um dos netos de Mandela, Mandla, agradeceu aqueles que apareceram para prestar suas homenagens ao prêmio Nobel da Paz. "Eu testemunhei seu exército, tenho testemunhado o seu povo, tenho testemunhado sul-africanos comuns que andaram esta longa caminhada para a liberdade com ele e posso garantir ao Congresso Nacional Africano hoje que o futuro deste país parece brilhante."

Escoltado por caças, o corpo de Mandela estava sendo levado pela força aérea da África do Sul para a sua região de origem Cabo Oriental, onde seria levado para a casa da família em Qunu, uma aldeia a 700 km ao sul de Joanesburgo.

No local, um funeral de Estado ocorre no domingo, combinando pompa militar e ritos tradicionais de Xhosa abaThembu, clã de Mandela. Ele terá a participação de membros da família, líderes nacionais e convidados estrangeiros, incluindo o príncipe britânico Charles e o ativista norte-americano dos direitos civis, reverendo Jessie Jackson.

Na homenagem do CNA neste sábado, o evento mais abertamente político no período de luto desde a morte de Mandela em 5 de dezembro, aos 95 anos, os líderes do partido no poder e os sindicatos aliados saudaram Mandela como um "soldado" determinado e revolucionário.

O evento do CNA contrastou com o memorial público feito na terça-feira, onde Zuma, que está no poder desde 2009, foi submetido a um coro de vaias e zombarias, um sinal preocupante para o partido no poder, seis meses antes das eleições.

Leia tudo sobre: MUNDOMANDELAVIAGEMmorte de mandela

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas