Polícia ucraniana recua após ação noturna contra manifestantes

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Retirada aumenta esperanças da oposição de que protesto começa a erodir apoio de presidente entre a força policial

Centenas de policiais da tropa de choque ucraniana se retiraram na manhã desta quarta-feira de um acampamento de protesto depois de terem entrado em ação contra manifestantes durante a noite, na maior tentativa das autoridades de pôr fim a semanas de protestos contra o presidente ucraniano, Viktor Yanukovych.

Conheça a home do Último Segundo

Reuters
Fila de policiais da tropa de choque marcha perto de manifestantes pró-UE vistos sobre barricadas na Praça da Independência, Kiev (11/12)

Ontem: Manifestantes ucranianos permanecem acampados e desafiam a polícia

A retirada aumentou as esperanças da oposição de que as três semanas de escalada de protestos começaram a erodir o apoio que o presidente tem entre a força policial.

O ex-ministro do Interior Yuri Lutsenko, que agora é um líder da oposição, declarou que a medida mostra que "basicamente apenas algumas unidades continuam a serviço do regime".

Várias colunas de policiais deixaram as posições no entorno do principal acampamento de protesto na Praça Independência e se distanciaram dos edifícios governamentais ocupados por manifestantes revoltados com a decisão de Yanukovych de abandonar um acordo comercial com a União Europeia e reaproximar a Ucrânia da Rússia.

Dia 9: Polícia da Ucrânia começa a desmontar acampamentos e dá ultimato

Durante a noite, os agentes esvaziaram as ruas próximas ao acampamento de protesto e depois cercaram a sede da prefeitura, onde manifestantes que haviam improvisado um hospital no edifício ocupado usaram mangueiras de água contra os policiais para impedir a invasão do prédio.

As ações de policiais em uniformes pretos com capacetes e visores foram as medidas mais ousadas que as autoridades ordenaram até o momento contra manifestantes, embora não esteja claro se eles estavam dispostos a usar a força.

No principal acampamento de protesto na Praça Independência, cantores famosos, políticos e padres faziam um apelo à polícia para que não causasse derramamento de sangue. Políticos oposicionistas pediram mais manifestações de massa para proteger a praça e previram que Yanukovych será destituído em breve. O ministro do Interior pediu calma e disse que a praça não será invadida.

Jovem é visto sobre barricadas para defender ativistas pró-UE em Kiev, Ucrânia (9/12)
. Foto: APPoliciais antidistúrbio bloqueiam ativistas pró-UE reunidos na Praça da Independência, em Kiev (9/12). Foto: APOficiais da polícia antidistúrbio são visto dentro de ônibus enquanto esperam para bloquear ativistas reunidos na Praça da Independência em Kiev, Ucrânia (9/12). Foto: APManifestante destrói estátua com uma marreta na Ucrânia (8/12). Foto: APManifestantes derrubaram estátua de Lênin na Ucrânia (8/12). Foto: APManifestantes usam marreta contra estátua de Lênin na Ucrânia (8/12). Foto: APImagem de arquivo de estátua de Lênin em Kiev, Ucrânia. Foto: APAtivistas pró-União Europeia lotam Praça da Independência e Kreshchatik, a principal rua de Kiev, Ucrânia (8/12). Foto: APParte da estátua no chão (8/12). Foto: APManifestantes se revezaram no uso da marreta contra a estátua de Lênin (8/12). Foto: APManifestantes criticam presidente por se distanciar da Europa e estreitar laços com a Rússia. Foto: APPedaços da estátua foram levados para a Praça da Independência, em Kiev (8/12). Foto: APManifestação de domingo reuniu centenas de milhares em Kiev (8/12). Foto: APManifestação foi a maior a acontecer no país desde a Revolução Laranja, em 2004. Foto: APAtaque à estátua simboliza repúdio da relação da Ucrânia com a Rússia (8/12). Foto: APManifestantes sobem na estrutura onde ficava a estátua em Kiev (8/12). Foto: APUcranianos fantasiados de cossacos e ativistas pró-União Europeia participam de protesto em Kiev (8/12). Foto: APMultidão é vista em local onde ficava estátua de Lênin em Kiev (8/12). Foto: AP

A polícia foi levada em ônibus para o centro da cidade, em meio a gritos de "Fora, criminoso" - uma referência a Yanukovich, que suspendeu no mês passado os planos de assinar um pacto comercial com a União Europeia e insistiu em procurar estreitar os laços com a Rússia.

A ação da polícia começou à noite perto da Praça Independência, onde milhares de manifestantes mantinham uma vigília apesar do frio intenso do inverno ucraniano.

Dezenas de manifestantes e policiais ficaram feridos em confrontos, mas vários agentes disseram ter ordens para não usar a força. A ação terminou à primeira luz do dia, quando os termômetros na capital coberta de neve marcavam 8 graus negativos. Alguns policiais da tropa de choque partiram enquanto manifestantes aplaudiam.

*Com Reuters e AP

Leia tudo sobre: ucrâniaprotestos na ucrâniayanukovych

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas