Cerca de 2 mil manifestantes mantêm posições em acampamento após ação de forças policiais em Kiev

Reuters

Cerca de 2 mil manifestantes contrários ao governo da Ucrânia se mantinham encolhidos junto a fogueiras acesas no meio da neve em seu acampamento, em Kiev, nesta terça-feira, desafiando as forças policiais que durante a noite expulsaram os ativistas para longe dos prédios públicos.

Conheça a home do Último Segundo

Ativistas pró-União Europeia são vistos em suas barricadas enquanto tropa de choque se prepara para entrar em prédio da administração presidencial em Kiev, Ucrânia
AP
Ativistas pró-União Europeia são vistos em suas barricadas enquanto tropa de choque se prepara para entrar em prédio da administração presidencial em Kiev, Ucrânia

Dezenas de agentes da tropa de choque removeram as barricadas que sitiavam a sede da presidência, os ministérios e o Parlamento. Os manifestantes se reagruparam na Praça da Independência, no centro de Kiev, onde armaram um acampamento com barracas e um palco onde cantores e oradores se revezam 24 horas por dia.

A bandeira presidencial, azul com um tridente dourado no centro, tremulou em frente ao gabinete, sinalizando que Viktor Yanukovych está trabalhando - possivelmente pela primeira vez desde que os protestos começaram, em 21 de novembro, por causa da decisão dele de não assinar um acordo de associação com a União Europeia, favorecendo uma maior aproximação com a Rússia.

Os manifestantes temiam que a chegada da tropa de choque policial , na segunda-feira, prenunciasse uma repressão, mas não se repetiu a violência da semana passada, quando dezenas de ativistas foram feridos.

Enquanto a crise ameaça uma economia já em crise, Yanukovych se prepara para conversar na terça-feira com três ex-presidentes ucranianos . Também na terça-feira, ou então na quarta-feira, ele deve se reunir com a chefe da diplomacia europeia, Catherine Ashton.

Ilya Shutov, ex-mineiro da cidade de Donetsk, no leste, disse que os manifestantes permanecerão acampados até que Yanukovych renuncie.

"Éramos a favor do acordo de associação com a UE porque achamos que ele obrigaria nossas autoridades a serem civilizadas. Sua recusa à Europa é a recusa a serem civilizados", disse. "Nosso objetivo é nos livrarmos de autoridades como as soviéticas."

Em visita a Moscou, a subsecretária norte-americana de Estado, Victoria Nuland, reiterou o apelo por calma em Kiev, e acrescentou que a Rússia deveria "usar sua influência para pressionar pela paz, a dignidade humana e uma solução política", segundo nota da embaixada dos EUA em Moscou.

Veja as imagens dos protestos na Ucrânia:

Por outro lado, a Câmara dos Deputados russa deve aprovar uma moção rejeitando a interferência de políticos ocidentais na Ucrânia, fato desencadeado pela visita a Kiev, na semana passada, do ministro alemão de Relações Exteriores.

Na quinta-feira, a polícia ucraniana havia dado cinco dias para que os manifestantes se dispersassem, mas isso não aconteceu.

"Vamos permanecer aqui até o fim para defender nossos direitos", disse o advogado Sergei Kuzan, 29 anos, parte de uma equipe autogerida de segurança montada para defender as barricadas no acampamento da praça da Independência. "Minha tarefa é não deixar a polícia entrar, nem os provocadores."

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.