Homenagens a Mandela reunirão o maior número de chefes de Estado da história

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Cerimônia acontece no Estádio Soccer City, palco da final da Copa do Mundo de 2010. Mais de 90 líderes mundiais confirmaram presença

Agência Brasil

O tributo que será prestado nesta terça-feira (10) ao ex-presidente da África do Sul Nelson Mandela, que morreu na última quinta-feira (5), reunirá o maior número de chefes de Estado da história. O recorde atual foi registrado no funeral do papa João Paulo II, em 2005, com a presença das autoridades máximas de 70 países. De acordo com o governo da África do Sul, mais de 90 chefes de Estado confirmaram presença e o número ainda não foi fechado.

Conheça a nova home do Último Segundo

Presidente dos EUA, Barack Obama (D), tira selfie com premiês da Dinamarca, Helle Thorning Schmidt (C), e do Reino Unido, David Cameron , em cerimônia por Mandela. Foto: Getty ImagesMenino com o rosto pintado durante tributo ao ex-presidente da África do Sul, Nelson Mandela. Foto: APA presidente Dilma Rousseff chega ao Estádio FNB. Ela foi uma das oradoras da cerimônia a Nelson Mandela. Foto: ReutersO presidente dos EUA, Barack Obama, desembarca ao lado de Michelle Obama. Foto: APRosto de Nelson Mandela é visto em telão durante serviço em sua memória no Estádio FNB, em Johanesburgo. Foto: APGraça Machel, viúva de Nelson Mandela, durante a cerimônia de homenagem ao ícone antiapartheid
. Foto: APA atriz sul-africana Charlize Theron e o cantor Bono são vistos no estádio. Foto: APImagem do ex-presidente Nelson Mandela, que morreu aos 95 anos, é vista. Sob chuva, milhares de sul-africanos acompanharam as cerimônias. Foto: APBarack Obama e sua esposa, Michelle Obama, olham folheto oficial durante a cerimônia de homenagem a Mandela. Foto: ReutersPresidente Dilma Rousseff acena ao chegar a cerimônia de memória a Nelson Mandela. Ela foi uma das oradoras da homenagem. Foto: APApesar da chuva, milhares de sul-africanos foram ao estádio homenagear o ícone antiapartheid. Foto: ReutersDilma observa o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, cumprimentar o presidente cubano, Raul Castro . Foto: ReutersDurante a cerimônia, presidente Obama se encontra com o presidente cubano, Raúl Castro, e aperta sua mão no Estádio FNB em Soweto. Foto: APSul-africanos acompanham discurso de Obama. O presidente dos Estados Unidos disse que Nelson Mandela foi um "gigante da história" e o "último grande libertador do século". Foto: APA ex-secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton cumprimenta o ex-primeiro-ministro britânico John Major . Foto: APObama beija a viúva de Nelson Mandela, Graça Machel, durante a cerimônia em memória ao ex- memorial para o ex-presidente. Foto: APMulher segura imagem de Nelson Mandela e se emociona durante tributo ao ícone antiapartheid. Foto: APPresidente sul-africano, Jacob Zuma, fará o principal discurso da cerimônia. Ele foi vaiado pelos presentes. Foto: ReutersO ex-primeiro-ministro britânico John Major, centro, cumprimenta o ex-presidente dos EUA, George W. Bush. Mais a frente, o também ex-presidente dos EUA, Bill Clinton. Foto: APSul-africanas abraçam imagem de Nelson Mandela durante uma cerimônia em Johanesburgo em homenagem ao ex-presidente. Foto: ReutersA rainha Rania, da Jordânia, também esteve presente na cerimônia que lembrou o ex-presidente Nelson Mandela. Foto: ReutersHomem segura foto de Mandela ao entrar no estádio. Foto: APPresidente da Nigéria, Goodluck Jonathan, chega ao estádio para acompanhar o tributo. Foto: ReutersSecretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o presidente sul-africano, Jacob Zuma, acompanha homenagem. Foto: APDurante a cerimônia de homenagem a Nelson Mandela, mulher lê um jornal. Milhares acompanharam tribuno. Foto: ReutersA modelo Naomi Campbell chega ao Estádio FNB em Soweto, onde o ex-presidente Nelson Mandela receberá homenagens que fazem parte do seu funeral. Foto: APO ex-presidente da França Nicolas Sarkozy e seu sucessor, François Hollande, participam da cerimônia. Na foto, acima, primeiro-ministro italiano Enrico Letta e sua esposa. Foto: ReutersSul-Africanos aguardam em portão para participar de homenagem ao ex-presidente Nelson Mandela, que morreu aos 95 anos. Foto: ReutersSob chuva, grupo chega para acompanhar homenagem a Mandela. Foto: APMulheres posam ao chegar no Estádio Soccer City . Foto: APPresidente dos Estados Unidos, Barack Obama, foi um dos oradores da cerimônia. Foto: APMultidão começa a lotar o Estádio FNB (Soccer City) em Soweto. A chuva que caia  afastou muitos da cerimônia. Foto: ReutersPresidente da Índia, Pranab Mukherjee, chega ao evento em memória de Nelson Mandela. Foto: AP
Winnie Mandela, ex-mulher do ex-presidente, é vista no Estádio FNB (Soccer City) em Soweto, onde acontecem as homenagens
. Foto: Reuters


Leia também: Dilma será uma das oradoras em homenagem a Mandela na África do Sul

Mandela mudou economia da África do Sul, mas desigualdade avança

A homenagem será prestada a partir das 11h (7h no horário de Brasília), no Estádio Soccer City, palco da final da Copa do Mundo de 2010 e também, no mesmo dia, da última aparição pública de Mandela, desfilando em um carrinho de golfe e aplaudido por milhares de admiradores. O estádio tem capacidade para cerca de 80 mil pessoas.

Mas Madiba, apelido que remete ao clã daquele que é considerado o mais importante filho da África do Sul, não movimenta apenas dezenas de chefes de Estado e os milhões de sul-africanos que o têm como pai. Os aeroportos de Joanesburgo ficaram lotados nos últimos dias desde a morte de Mandela. Pessoas de todas as parte do mundo chegam para se despedir e prestar homenagem ao líder.

O voo de domingo (8) de São Paulo para Joanesburgo ficou totalmente lotado, e as últimas passagens foram vendidas por mais de três vezes o preço mais barato sem promoção. A imprensa de todo o mundo também veio registrar o momento histórico. No local que o governo destinou ao credenciamento para a cobertura do funeral de Mandela, os jornalistas levaram, em média, cinco horas, no domingo e na segunda-feira, para conseguir uma credencial e ter acesso aos eventos.

O motorista Neggie, que trabalha para uma empresa que transporta pessoas em Joanesburgo, disse que a cidade não “lotou” nos últimos dias. “Está mais do que lotada”, acrescentou. O clima na cidade mistura tristeza pela partida de Madiba e celebração de sua vida. As imagens das bandeiras a meio-mastro em todo o país se misturam com danças e cantorias em homenagem ao ex-presidente que, em vida, despertou a curiosidade e a admiração de pessoas e líderes de todo o mundo e agora os atrai ao país para a despedida. Os presidentes Barack Obama, dos Estados Unidos, e Dilma Rousseff estão entre os que farão um pequeno discurso na despedida oficial.

Leia tudo sobre: nelson mandelamandelamorte de mandelaáfrica do sul

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas