Ativistas pró-União Europeia são alertados a sair de áreas de protesto até terça, quando presidente discute crise

A polícia da Ucrânia começou nesta segunda-feira a desmantelar ao menos dois acampamentos de protesto e forçar os manifestantes a se retirar de ruas onde, de acordo com o Ministério do Interior, bloqueiam o acesso a prédios do governo na capital do país, Kiev. Um partido da oposição afirmou que a polícia também invadiu sua sede.

Conheça a home do iG

Tropa de choque da Ucrânia dispersa ativistas pró-UE de prédios do governo em Kiev
AP
Tropa de choque da Ucrânia dispersa ativistas pró-UE de prédios do governo em Kiev

Hoje: Líder da Ucrânia diz aceitar negociar enquanto posiciona polícia

A medida foi tomada um dia depois de Kiev ter sido palco dos maiores protestos da oposição desde a Revolução Laranja de 2004 . Milhares de manifestantes passaram a noite sob um frio congelante no centro de Kiev após o enorme protesto antigoverno, em que um grupo de pessoas destruiu a estátua do líder revolucionário russo Lênin, levando seus pedaços desmembrados como troféus para a Praça da Independência.

Uma coluna de 20 ônibus policiais foi enviada à capital a partir de Vasylkiv, a 20 km ao sul da cidade, informou a TV 5 Kanal. Aos manifestantes foi dado um ultimato para que saiam até terça. Não há informações de confrontos.

Maior protesto desde 2004: Manifestantes destroem estátua de Lênin

Líderes da oposição conclamaram seus partidários a defender a Praça da Independência, o principal local de protesto. O ministério anunciou que nenhuma ação foi tomada em relação à praça, onde os manifestantes agora montam barricadas adicionais.

Veja imagens dos protestos na Ucrânia:

O impasse se segue a semanas de intraquilidade depois que a Ucrânia desistiu de um acordo de livre comércio com a União Europeia (UE). O procurador-geral Viktor Pshonka advertiu os manifestantes a parar de causar "anarquia e ilegalidade" ao bloquear os prédios.

"Pedimos que as pessoas montem guarda, pacificamente, sem uso da força ou da agressão, para defender seu direito de viver em um país livre", disse por sua vez o lutador de boxe peso-pesado Vitaly Klitschko, que surgiu como um dos líderes dos protestos, de acordo com a agência Reuters.

Saiba mais: Entenda a onda de protestos na Ucrânia

"Há a expectativa de que a polícia desmantele manifestações pacíficas. Se o sangue for jorrado durante a dispersão, ele estará nas mãos da pessoa que a ordenou: o presidente Viktor Yanukovych."

Manifestantes derrubam estátua de Lênin; assista:

Enquanto isso, o porta-voz do opositor Partido da Pátria disse que a polícia estava ocupando sua sede e "quebrando as portas". Entretando, a porta-voz da polícia disse que nem a polícia regular de Kiev ou a tropa de choque de Berkut conduziram quaisquer operações no endereço.

Os sites do Partido Pátria e do também opositor Partido da Liberdade estão atualmente inacessíveis. O Pátria é o partido liderado pela ex-premiê Yulia Tymoshenko , que foi presa em 2011 por conta de um controverso contrato de gás com a Rússia. Os manifestantes reivindicam sua libertação. O partido de Yulia conclamou a população a perseguir o presidente "até que ele caia".

'Xixi e Cocô': TV russa usa programa como símbolo de 'decadência ocidental'

O presidente Yanukovych disse que discutirá a crise com três ex-presidente na terça-feira para tentar alcançar um acordo. Os manifestantes reivindicam a renúncia do governo de Yanukovych e novas eleições.

Eles estão revoltados com as especulações de que Yanukovych, que se encontrou com o presidente russo, Vladimir Putin, na sexta-feira em Sochi, pode levar a Ucrânia a um acordo aduaneiro, uma decisão que a oposição alega se encaixar no projeto de Putin de recriar a União Soviética.

Partidários da integração ao bloco europeu bloqueiam rua enquanto se manifestam durante queda de neve em Kiev, Ucrânia
Reuters
Partidários da integração ao bloco europeu bloqueiam rua enquanto se manifestam durante queda de neve em Kiev, Ucrânia

Eles também criticam Yanukovych por se recusar a assinar um acordo de associação com a UE no mês passado. O presidente disse que o arquivou pelo fato de que o pacto poria o comércio com a Rússia em risco.

A Comissão Europeia afirmou que a chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, viajará à Ucrânia nesta semana "para apoiar uma forma para sair da crise política".

*Com BBC e AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.