Explosão de carro-bomba seguida de troca de tiros entre combatentes e forças de segurança deixa 52 mortos

A detonação por um suicida de um carro com explosivos seguida de uma troca de tiros entre militantes e as forças de segurança deixou 52 mortos, incluindo civis e soldados, e 167 feridos nesta quinta-feira no Ministério da Defesa na capital do Iêmen, Sanaa, em um ataque que destaca a ameaça persistente à estabilidade e à segurança do empobrecido país árabe.

Conheça a home do Último Segundo

Fumaça sobe de local de explosão em Ministério da Defesa em Sanaa, Iêmen
AP
Fumaça sobe de local de explosão em Ministério da Defesa em Sanaa, Iêmen

Setembro: Militantes matam ao menos 38 soldados em ataques no Iêmen

Segundo fontes do governo, os atiradores chegaram minutos depois da explosão, aparentemente em uma tentativa de tomar o controle do complexo localizado no centro de Sanaa.

Há informações de que os atiradores estavam armados com rifles de assalto, granadas de mão e granadas propelidas por foguetes. Eles vestiam uniformes do Exército iemenita, disseram autoridades.

Não houve uma reivindicação imediata de responsabilidade pelo ataque, que teve as marcas da Al-Qaeda, cujo braço no Iêmen é considerado um dos mais ativos do mundo.

Iêmen: Ataque de drone mata supostos militantes da Al-Qaeda

O Ministério da Defesa divulgou uma declaração breve confirmando o ataque desta quinta-feira, afirmando que a "maioria" dos atiradores foram mortos, mas sem informar quantos eram ou sem dar outros detalhes.

As autoridades disseram que a explosão danificou bastante um hospital dentro do complexo, iniciou um incêndio e destruiu janelas e portas de casas e escritórios vizinhos. A explosão e a troca de tiros subsequente destruíram um veículo blindado que pertencia ao Exército e reduziram três carros civis que estavam do lado de fora do complexo a carcaças carbonizadas, afirmaram testemunhas.

Os militantes da Al-Qaeda se concentram no sul e no leste do Iêmen, mas ocasionalmente eles lançam ataques na capital. Eles se aproveitaram da precária condição de segurança do país em 2011 e 2012, durante um levante contra o então presidente Ali Abdullah Saleh , para assumir o controle do território no sul.

*Com AP

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.