Agência dos EUA coleta dados sobre localização de celulares mundialmente

Por Reuters | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Cerca de 5 bilhões de registros alimentam banco de dados que contém os locais de centenas de milhões de aparelhos

Reuters

A Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês) dos EUA coleta cerca de 5 bilhões de registros por dia sobre a localização de telefones celulares em todo o mundo, incluindo os de alguns norte-americanos, de acordo com reportagem do jornal Washington Post publicada na quarta-feira, citando fontes e documentos obtidos pelo ex-técnico da CIA Edward Snowden.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP Photo/The Guardian
Edward Snowden, o ex-agente de inteligência norte-americano asilado na Rússia

Snowden: Relembre as principais denúncias sobre espionagem dos EUA

Os registros alimentam um banco de dados que armazena informações sobre os locais de "pelo menos centenas de milhões de aparelhos", disse o jornal, de acordo com documentos ultrassecretos e entrevistas com funcionários da inteligência.

A reportagem afirmou que a NSA não busca intencionalmente dados de norte-americanos, mas recebe uma quantidade substancial de informações sobre o paradeiro de telefones celulares domésticos "incidentalmente".

Dia 26: Comissão da ONU aprova resolução contra espionagem

Autoridade: EUA apoiarão resolução de Brasil e Alemanha se houver consenso

Um gerente disse ao jornal que a NSA obteve "grandes volumes" de dados de localização ao ter acesso aos cabos que conectam redes móveis mundialmente e que servem celulares dos EUA, bem como estrangeiros. Autoridades de inteligência dos EUA contatados pela Reuters não quiseram comentar a reportagem do Post.

A reportagem citou autoridades dizendo que os programas que coletam e analisam informações de localização são legais e destinados exclusivamente a desenvolver a inteligência em alvos externos.

Jornal: NSA infectou 50 mil redes de computador para espionagem

A ampla coleta de dados telefônicos e de internet pelas agências de inteligência dos EUA tem sido objeto de escrutínio desde que Snowden começou a vazar informações, em junho, mostrando que a vigilância era muito mais extensa do que a maioria dos norte-americanos pensava.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas