Coreia do Norte acusa norte-americano de ser criminoso de guerra

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Aos 85 anos e detido no país há mais de um mês, Merrill Newman aparece em vídeo admitindo culpa e pedindo desculpas ao povo coreano

A Coreia do Norte denunciou neste sábado (30) um veterano de guerra norte-americano pela morte de civis durante a Guerra das Coreias, há 60 anos, e mostrou um vídeo com o homem de 85 anos confessando seus crimes e pedindo desculpas. Tecnicamente o país continua em guerra com seu vizinho do sul, já que jamais formalizou nenhum acordo de paz.

AP Photo/KCNA via KNS
O americano Merrill Newman lê comunicado em que se desculpa por crimes de guerra

A agência de notícias estatal KCNA afirmou que Merrill E. Newman, um ex-membro das forças especiais dos EUA, foi o mentor de operações clandestinas e confessou ser "culpado de uma longa lista de crimes indeléveis contra o governo e o povo da Coreia do Norte".

No vídeo editado, Newman parece calmo e lendo em voz alta um comunicado escrito a mão, datado de 9 de novembro de 2013, em uma sala revestida com madeira. No final, ele faz uma reverência e coloca a sua impressão digital no documento.

"Agora me dei conta de que não posso ser perdoado pelas minhas ofensas, mas imploro por perdão de joelhos pelo que fiz contra o governo e o povo da Coreia do Norte, e não quero ser punido", afirmou Newman, que tem problemas cardíacos, segundo a KCNA.

Durante a leitura, Newman utilizou as letras DPRK para se referir à Coreia do Norte. Trata-se da abreviação de República Democrática Popular da Coreia, em inglês.

Newman, um aposentado de Palo Alto, Califórnia, foi retirado de um voo da Air Koryo na Coreia do Norte minutos antes de ele decolar rumo a Pequim, em 26 de outubro. Desde então, está detido.

Newman trabalhou como num regimento guerrilheiro durante a Guerra das Coreias como "parte de uma agência de inteligência do comando das forças dos EUA no Extremo Leste", afirmou a KCNA.

"Ele é um criminoso que planejou atividades subversivas e de espionagem contra a Coreia do Norte e se envolveu em mortes de membros do Exército Popular da Coreia e civis inocentes", afirmou o governo coreano em nota oficial.

Um dos países mais isolados politicamente do mundo, a Coreia do Norte nutre as memórias da guerra com a Coreia do Sul e os EUA, ocorrida entre 1950 e 1953, como forma de manter o seu povo distraído e a família de Kim Il Sung no poder. Seu neto, Kim Jong Un, é o atual líder da nação.

Tecnicamente, o país permanece em guerra contra a Coreia do Sul e os EUA, pois o conflito terminou com uma trégua, não um acordo de paz.

Newman, em sua confissão, afirmou ter treinado muitos homens como guerrilheiros contra os norte-coreanos, ensinando-os como sabotar as comunicações e as linhas de transporte e dificultar o suplemento de munições.

*Com informações da Reuters

Leia tudo sobre: MANCHETESCOREIAAMERICANOPRESO

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas