Promotoria pede 9 anos de prisão para bailarino do Bolshoi por ataque com ácido

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

O bailarino Pavel Dmitrichenko se declarou inocente da acusação de ordenar o ataque contra diretor artístico

Reuters

Promotores públicos russos pediram nesta sexta-feira (29) que seja imposta a pena de nove anos de prisão para um bailarino acusado de planejar um ataque com ácido que quase deixou cego o diretor artístico do Balé Bolshoi Sergei Filin.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
O diretor artístico do Bolshoi, Sergei Filin, em tribunal de Moscou

O bailarino Pavel Dmitrichenko se declarou inocente da acusação de ordenar o ataque, em janeiro, o qual expôs rivalidades nos bastidores de uma das maiores instituições culturais da Rússia. A promotoria poderia ter pedido no máximo pena de 12 anos.

A promotora Yulia Shumovskaya solicitou ainda dez anos de prisão para Yuri Zarutsky, acusado de ter jogado o ácido no rosto de Sergei Filin, e seis anos para Andrei Lipatov, indiciado por ter conduzido Zarutsky até o local do ataque, e depois o levado embora.

"O motivo de Dmitrichenko era um conflito entre Filin e Dmitrichenko", disse Yulia a um tribunal de Moscou, ao afirmar que a disputa foi causada pela decepção do bailarino por Filin não lhe ter dado bons papéis no Bolshoi.

A advogada de Filin, Natalia Zhivotkova, disse: "Todos os réus são culpados e, do meu ponto de vista, não merecem comiseração nenhuma."

Dmitrichenko, confinado a uma jaula na corte com os outros dois réus, permaneceu impassível e não mostrou nenhuma emoção quando Yulia falava. Zarutsky e Lipatov olhavam para o chão.

O caso manchou a reputação do Bolshoi, que fez mudanças em sua administração para tentar fazer com que o palco volte a ser o centro das atenções.


Leia tudo sobre: MUNDORUSSIABOLSHOIJULGAMENTO

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas