Líder Hassan Rouhani diz que legado de dois mandatos do antecessor Ahmadinejad é uma dívida U$ 67 bilhões

Reuters

O presidente do Irã, Hassan Rouhani , disse que os problemas econômicos do país vão bem além das sanções internacionais, e atribuiu a "estagflação sem paralelo" aos gastos feitos por seu antecessor, Mahmoud Ahmadinejad .

Conheça a nova home do Último Segundo

Futuro:  Iranianos celebram relaxamento de sanções após acordo nuclear

Presidente do Irã, Hassan Rouhani, durante reunião com ministros em Teerão, na última terça
AP
Presidente do Irã, Hassan Rouhani, durante reunião com ministros em Teerão, na última terça

O governo de Ahmadinejad, que durou de 2005 a agosto deste ano, foi marcado por um crescimento sem precedentes na arrecadação petrolífera, por causa da alta no preço do produto. Mas analistas dizem que o ex-presidente desperdiçou os recursos com subsídios que injetaram dinheiro na economia e provocaram inflação.

Leia mais sobre o Irã:

Obama busca tranquilizar Israel sobre acordo nuclear com Irã

Irã promete começar implementação de acordo nuclear até o fim do ano

Comunidade internacional saúda acordo com Irã, Israel considera "erro histórico"

Ahmadinejad também se contrapôs ao Ocidente por causa das ameaças a Israel, das suas declarações minimizando o Holocausto e, acima de tudo, por sua recusa em restringir o programa nuclear iraniano.

Ahmadinejad durante coletiva no Egito (5/2)
NYT
Ahmadinejad durante coletiva no Egito (5/2)

Os EUA e aliados há anos acusam o Irã de tentar desenvolver armas nucleares, algo que Teerã sempre negou. Refletindo a postura mais moderada de Rouhani, no fim de semana o Irã e seis potências mundiais chegaram a um acordo que restringe as atividades atômicas do país, em troca de um alívio nas sanções internacionais ao Irã.

Referindo-se ao ano persa, que terminou em março, Rouhani disse que "a estagflação em 1391 não teve paralelos". De acordo com ele, a economia encolheu 6% no período, e a inflação superou 40%. "Esses fatos mostram as condições que herdamos do governo anterior e em quais condições precisamos lidar com os problemas", disse Rouhani.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a economia do Irã vai encolher 1,5% este ano em termos ajustados pela inflação, depois de uma contração estimada em 1,9% no ano passado, que foi a maior desde 1988, quando acabou a guerra de oito anos entre Irã e Iraque.

Apesar de ter recebido U$ 600 bilhões em receitas de petróleo ao longo dos últimos oito anos, Rouhani disse que o legado de dois mandatos de Ahmadinejad é uma dívida em torno de U$ 67 bilhões.

(Reportagem de Isabel Coles)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.