Número de mortos por tufão Haiyan chega a 5.500 nas Filipinas

Por Agência Brasil |

compartilhe

Tamanho do texto

Autoridades afirmam que 26 mil ficaram feridos. Ventos de 315 km atingiram o centro do país no início deste mês

Agência Brasil

As autoridades filipinas elevaram nesta quarta-feira para 5.500 o número oficial de mortos após passagem do tufão Haiyan, em 8 de novembro, no centro do país, onde continuam os trabalhos de reconstrução.

Conheça a nova home do Último Segundo
Filipinas tentam evitar fraudes e desvio de ajuda a vítimas de tufão

AP
'Ajude, precisamos de comida', diz cartaz da sobrevivente Yolanda, na província Palo, nesta quarta

Na última informação divulgada, o Conselho Nacional de Gestão e Redução de Risco de Desastres havia elevado também o número de feridos para 26.136 e o de desaparecidos para 1.757 pessoas.

O conselho estimou que 9,9 milhões de pessoas foram afetadas pela tempestade, que atingiu 574 municípios e deixou 225.922 pessoas alojadas em 1.069 centros de acolhimento temporários. A tempestade destruiu 574 mil casas e deixou 575.000 parcialmente danificadas. O prejuízo total é estimado pelo governo em 412 milhões de euros.

Leia outras notícias sobre o tufão:

- Autoridades descartam identificar 100% dos corpos nas Filipinas
- Filipinas tem só três agentes funerários para identificar centenas de corpos
Assista: Vídeo mostra tufão devastando casa em poucos segundos nas Filipinas

Durante as operações de socorro aos afetados e às zonas danificadas, foram enviadas para os pontos mais críticos 34.500 pessoas, 1.336 veículos, 11 embarcações e 162 aviões de agências nacionais, locais e estrangeiras.

Com ventos até 315 km por hora, o Haiyan foi o tufão mais forte registrado no país e o segundo desastre que mais mortes causou na história recente.

Veja imagens das Filipinas após passagem do Haiyan:

Residentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APResidentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APRecém-nascido Bea Joy é carregado enquanto a mãe Emily Ortega, 21 anos, descansa após ter dado à luz em hospital improvisado no aeroporto de Tacloban (11/11). Foto: APSobreviventes carregam sacos de arroz de um armazém atingido pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes caminham por entre os destroços provocados pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes cobrem seus narizes por causa do cheiro da putrefação dos corpos nas ruas após a passagem de um tufão na cidade de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APTufão pode ter matado mais de 10 mil nas Filipinas (10/11). Foto: APMorador observa causas danificadas pelo tufão Haiyan em Tacloban, província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APCasas destruídas em Tacloban, na província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APUma casa é atingida pela tempestade trazida pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi (8/11). Foto: APFuncionários avaliam estrago depois que árvore de Natal gigante foi derrubada por fortes ventos do tufão Haiyan em Cebu, Filipinas (8/11). Foto: APMoradores caminham no litoral em meio a uma tempestade provocada pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi, Filipinas (8/11). Foto: APImagem fornecida pela NOAA mostra o tufão Haiyan enquanto atravessa e arrasa Filipinas (8/11). Foto: APMoradores tentam liberar rodovia após ventos do tufão Haiyan derrubarem árvores na província de Cebu, nas Filipinas (8/11). Foto: APResidentes limpam uma estrada depois que árvores foram derrubadas com os ventos do tufão Haiyan que atingiu a província de Cebu, Filipinas (8/11). Foto: AP



Leia tudo sobre: filipinastufãohaiyanvítimasdestruição

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas