Iranianos celebram relaxamento de sanções após acordo nuclear

Por BBC Brasil | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Chanceler que fechou tratado sobre programa nuclear é recebido como herói no país, que espera alívio econômico

BBC

O chanceler do Irã, Javad Zarif, foi recebido como herói por uma multidão em Teerã, capital do país. Zarif foi o encarregado de negociar o acordo com seis potências internacionais para que o governo iraniano contenha o seu programa nuclear em troca de um alívio nas sanções.

Conheça a nova home do Último Segundo
Entenda:Irã promete começar implementação de acordo nuclear até o fim do ano

AP
Iranianos aguardavam chegada de chanceler Zarif com foto do presidente Rouhani nesta segunda


Centenas de pessoas levando flores e bandeiras foram até o aeroporto Mehrabad, na capital, para receber o chanceler, que eles chamaram de "embaixador da paz". A multidão também gritou frases como "Não à guerra, sanções, rendição e insultos".

Em uma entrevista à televisão estatal iraniana ainda no aeroporto, Zarif afirmou que o Irã está preparado para tomar as medidas necessárias para manter o acordo. Mas acrescentou que o acordo interino válido por seis meses pode ser suspenso pelo governo do Irã a qualquer momento.

Obama busca tranquilizar Israel sobre acordo nuclear com Irã

Em Genebra: Irã e seis potências firmam acordo sobre programa nuclear

Líder supremo do Irã nega que país vá ceder em diálogo nuclear

No passado: Irã e potências mundiais não chegam a acordo nuclear

"Todas as medidas que tomaremos, medidas de confiança, poderão ser revertidas rapidamente. Claro, esperamos não precisar fazer isto", disse. O acordo, conseguido após quatro dias de negociações em Genebra, na Suíça, prevê que o Irã permita o acesso de inspetores nucleares ao país e suspenda parte de seu programa de enriquecimento de urânio.

Em troca, parte das sanções adotadas contra o país ao longo dos últimos anos serão suspensas, permitindo um alívio estimado em US$ 7 bilhões ao Irã. As negociações em Genebra tiveram a participação dos chanceleres do Irã e do grupo P5+1, formado pelos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU (Estados Unidos, França, Rússia, China e Grã-Bretanha) mais a Alemanha.

'Momento decisivo'

De acordo com o repórter da BBC em Teerã Mohsen Asgari, os iranianos tiveram um domingo diferente, marcado pela notícia do fechamento do acordo na madrugada do dia. Muitos jornais publicaram segundas edições com a notícia e, em quase todos os jornais partidários do governo as manchetes eram "Grande Acordo em Genebra".

Muitos iranianos ficaram sabendo do acordo pela televisão e pelo rádio e, para muitos deles, o principal efeito será o alívio econômico com o fim das sanções. "Fico feliz pelos nossos filhos, pela próxima geração", disse Mohammad, de 54 anos, em Teerã. "De agora em diante, tenho certeza de que eles poderão lidar com nossos problemas econômicos. Por isso estou feliz pelos meus filhos, que poderão viver em uma situação melhor."

"O acordo nuclear em Genebra é um momento decisivo na história da República Islâmica do Irã", afirmou Sadeq Ziba Kalam, um professor universitário próximo do presidente iraniano Hassan Rouhani.

A bolsa de valores de Teerã também reagiu de maneira positiva ao acordo nesta segunda-feira. A moeda do país, o rial iraniano, se valorizou frente ao dólar, e ações de indústrias que foram atingidas pelas sanções nos últimos anos, como a petroquímica e a automobilística, subiram.

O acordo fechado em Genebra com o Irã, que é o quarto produtor de petróleo do mundo, também levou a uma queda dos preços do produto nos mercados asiáticos nesta segunda-feira. O barril do petróleo cru Brent caiu mais de 2%.

Apesar de o Irã não ter permissão para aumentar as vendas do petróleo durante seis meses, analistas afirmam que o acordo é visto pelos mercados como uma redução dos riscos no Oriente Médio.

Leia tudo sobre: irãprograma nucleargenebraurânioenriquecimentojavad zarif

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas