Presidente da Itália diz que não pode perdoar Berlusconi por fraude fiscal

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ex-premiê teve pedido de perdão rejeitado e corre o risco de ser expulso do Parlamento ainda esta semana

Reuters

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, rejeitou neste domingo (14) o pedido de perdão de Silvio Berlusconi pela condenação do ex-premiê por fraude fiscal, e disse ao líder da centro-direita que ele deve cumprir a lei se for expulso do Parlamento esta semana.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Ex-premiê Silvio Berlusconi enxuga o rosto em sessão do Senado em Roma, Itália

Um comunicado do gabinete de Napolitano disse que o ex-primeiro-ministro tinha não só falhado em se comportar de uma maneira que pudesse tornar o perdão possível, mas também havia "expressado julgamentos e intenções de extrema gravidade".

Leia também:

Berlusconi deixa coalizão do governo da Itália após ruptura em partido

Suprema Corte da Itália mantém condenação de Berlusconi por fraude fiscal

O Senado italiano vai votar na quarta-feira se Berlusconi, de 77 anos, deve perder sua vaga, após ter sido considerado culpado, em agosto, de planejar um sistema complexo e ilegal para reduzir a fatura fiscal de sua empresa Mediaset.

Napolitano estava respondendo a um pedido feito por Berlusconi, no sábado (23), para que o chefe de Estado lhe concedesse perdão, mesmo sem ele ter feito uma solicitação formal.

O presidente disse a Berlusconi para "não realizar protestos além dos limites de respeito às instituições" se for cassado.

No sábado, Berlusconi disse a membros de seu partido Forza Italia que a expulsão do Parlamento seria um "golpe de Estado". O partido planeja realizar protestos de rua no dia da votação, que deve cassar o mandato do magnata da mídia.

Leia tudo sobre: MUNDOITALIABERLUSCONIPRESIDENTE

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas