Médico paquistanês que ajudou EUA a localizar Bin Laden é acusado de homicídio

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Afridi é acusado pela morte de um paciente há 8 anos. Ele também é acusado por fazer falsa campanha de vacinação

Reuters

O Paquistão indiciou nesta sexta-feira (22) por homicídio o médico que ajudou os Estados Unidos a localizarem o líder da rede Al-Qaeda, Osama Bin Laden. Esse é o mais recente desdobramento de um caso que estremeceu as relações entre os dois países.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
O médico paquistanês Shakil Afridi, que ajudou a CIA a achar Bin Laden (09/07/2010)

Shakil Afridi, considerado um herói por autoridades dos EUA, foi preso depois que soldados norte-americanos mataram Bin Laden em maio de 2011 em uma operação secreta, o que causou indignação no Paquistão e mergulhou em crise as relações entre os dois parceiros estratégicos.

O Paquistão prendeu Afridi e o sentenciou no ano passado a 33 anos de prisão por integrar o grupo militante Lashkar-e-Islam, acusação que ele nega. Mas em agosto o Paquistão anulou essa condenação, citando erros processuais, e ordenou novo julgamento.

Paquistão anula sentença de médico que ajudou a encontrar Bin Laden

O indiciamento por homicídio apresentado hoje, relacionado à morte de um paciente oito anos atrás, obscurece as chances de Afridi ser libertado e pode piorar ainda mais as relações do país com os Estados Unidos.

A acusação se relaciona à morte de Suleman Afridi, num hospital na região montanhosa da região de Agência Khyber, em 2005, e foi apesentada pela mãe do homem, disse à Reuters uma autoridade local.

Entrevista: Médico que ajudou na caçada a Bin Laden fala de dentro da prisão

"Uma mulher culpa Afridi pela morte de seu filho", disse um funcionário, falando sob a condição de manter o anonimato. "Ela afirma que ele operou o filho em um hospital da região de Khyber mesmo não sendo um cirurgião, e isso causou a morte do filho dela." Não estavam disponíveis de imediato outros detalhes do caso. Afridi não é parente do médico, apesar de terem o mesmo sobrenome.

A Agência Khyber, situada na fronteira com o Afeganistão, é parte de áreas semiautônomas onde a lei tribal predomina em vez do sistema judicial do Paquistão, e o governo é ali representado por um agente político.

O advogado de Afridi, Samiullah Afridi ─ também sem parentesco com ele ─ disse que autoridades de Khyber o informaram sobre a acusação de assassinato na manhã desta sexta-feira.

O Paquistão acusa o médico de ter realizado uma falsa campanha de vacinação na qual ele recolheu amostras de DNA para ajudar a Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA a rastrear Bin Laden.

Afridi é um sobrenome compartilhado por membros de uma tribo pashto que leva esse nome.

Leia tudo sobre: MUNDOPAQUISTAOMEDICOBINLADEN

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas