Ativista diz que vai ajudar Greenpeace a recuperar navio

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Bióloga quer voltar à Rússia para recuperar embarcação apreendida durante protesto que provocou sua prisão

Agência Estado

A bióloga Ana Paula Maciel, ativista do Greenpeace que ficou dois meses presa na Rússia e ainda enfrenta acusações de vandalismo por ter participado de um protesto no país, disse que, quando estiver tudo resolvido e puder voltar para o Brasil, vai querer retornar a território russo para ajudar a recuperar o navio da organização não governamental (ONG) que foi apreendido.

Conheça a nova home do Último Segundo

Entenda: Ativista brasileira deixa cadeia na Russia após pagar fiança

Dmitri Sharomov/Greenpeace/Divulgação
Ana Paula Maciel deixou a prisão nesta quarta-feira após dois meses


A afirmação é do diretor executivo do Greenpeace internacional, Kumi Naidoo, que está em Varsóvia para a Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU). "Falei com ela ontem (nesta quarta-feira, 20), após sair da prisão. Ela estava com um bom espírito, disse que a experiência foi difícil, mas a deixou mais forte, e ela pediu-me um favor: ‘Quando forem montar a equipe que vai trazer o navio de volta de Murmansk, posso fazer parte da equipe?’. O navio não está sendo cuidado, está em má forma agora, e ela, como eu, passou muito tempo nele", afirma Naidoo.

Ana Paula estava ao lado de outros 27 ativistas e dois jornalistas, a bordo da embarcação da ONG Arctic Sunrise, para um protesto contra a exploração de petróleo no Ártico. Todos foram presos em 19 de setembro, após tentar escalar uma plataforma da empresa Gazprom.

Leia também:

Paul McCartney pede a Putin que ajude a libertar ativistas do Greenpeace

18 de setembro: Protesto em plataforma no Ártico termina em tiros e prisões

Porto Alegre: Família de brasileira presa na Rússia faz ato por sua libertação

Ela foi a primeira a ser solta, após a ONG pagar uma fiança de 2 milhões de rublos (cerca de R$ 140 mil), mas ainda não pode sair do país. "A situação ainda não está nem de longe resolvida. Ela ainda enfrenta as acusações de vandalismo", disse Naidoo, que afirmou, porém, ter recebido uma sinalização positiva do presidente Vladimir Putin. "Ele disse hoje (nesta quinta-feira, 20) que os ativistas tiveram intenções nobres. Eu espero que esse reconhecimento traga as bases para que as acusações sejam retiradas e eles possam sair da Rússia."

De acordo com o diretor executivo-internacional do Greenpeace, Ana Paula agora não vê a hora de a mãe e a melhor amiga, que trabalha na ONG no Brasil, chegarem a São Petersburgo, no domingo, 24. "São as pessoas mais preciosas da sua vida." Naidoo deu as declarações em Varsóvia, após se reunir com o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Luiz Alberto Figueiredo Machado, que chegou nesta quinta à COP, vindo da Rússia. O diretor executivo internacional pediu a reunião para agradecer a atuação do Brasil no processo, que culminou com uma carta da presidente Dilma Rousseff, pedindo solução para o caso. 

Leia tudo sobre: mundogreenpeaceana paula macielmeio ambiente

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas