Resolução da ONU contra espionagem perde força por apoio dos EUA

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Alguns diplomatas disseram que projeto sugeria que espionagem poderia ser violação aos direitos humanos

Reuters

Um projeto de resolução da Organização das Nações Unidas, que alguns diplomatas disseram que sugeria que a espionagem em países estrangeiros poderia ser uma violação aos direitos humanos, foi enfraquecido para apaziguar os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e outros países, antes de uma votação por um comitê da ONU na próxima semana.

Conheça a nova home do Último Segundo

Reuters
Genera Keith Alexander, da NSA

O Brasil e a Alemanha esboçaram a resolução pedindo o fim da excessiva vigilância eletrônica. O documento não nomeia países específicos, mas foi feito depois que o ex-prestador de serviços norte-americano Edward Snowden divulgou detalhes de espionagem pela Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos.

Leia também: Espionagem dos EUA pode prejudicar combate ao terrorismo, diz UE

O Terceiro Comitê da Assembleia Geral da ONU, que lida com questões dos direitos humanos, vai votar o projeto na próxima semana, que deve, então, ser submetido à votação na Assembleia-Geral, de 193 países, em dezembro.

O projeto inicial teria feito a assembleia declarar que está "profundamente preocupada com as violações dos direitos humanos e abusos que podem resultar da conduta de qualquer vigilância de comunicação, inclusive vigilância extraterritorial das comunicações".

Mas a linguagem foi modificada para "profundamente preocupada com o impacto negativo que a vigilância e/ou a interceptação das comunicações, inclusive vigilância extraterritorial e/ou interceptação de comunicações, assim como a coleta de dados pessoais, em particular quando feita em escala maciça, pode ter no exercício e desfrute dos direitos humanos".

Um diplomata sênior da ONU, falando sob condição de anonimato, descreveu a nova linguagem como um compromisso que "meio que rompe a ligação entre vigilância extraterritorial e violações dos direitos humanos".

A versão final do projeto de resolução foi apresentada ao Terceiro Comitê na noite de quarta-feira. Não estava claro se os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e outros iriam apoiá-la.

Resoluções da Assembleia-Geral não têm cumprimento obrigatório, ao contrário das resoluções do Conselho de Segurança, formado por 15 nações. Mas tais resoluções que têm amplo apoio internacional podem carregar um peso moral e político significativo.

O projeto observa "que enquanto as preocupações sobre a segurança pública podem justificar a reunião e a proteção de certas informações delicadas, os Estados devem assegurar o pleno cumprimento de suas obrigações sob a lei internacional dos direitos humanos".

A presidente Dilma Rousseff e a chanceler alemã, Angela Merkel, condenaram a espionagem generalizada feita pela Agência Nacional de Segurança dos EUA. Acusações de que a NSA acessou dezenas de milhares de registros telefônicos franceses e monitorou o celular de Merkel provocaram indignação na Europa.

Leia tudo sobre: mundoonuresoluçãoeua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas