Navio do Greenpeace foi preso em setembro depois que sua tripulação tentou escalar uma plataforma de petróleo

Depois de pagar fiança, a brasileira ativista do Greenpeace Ana Paula Maciel deixou a prisão em São Petersburgo, na Rússia, nesta quarta-feira, 20. Ana é a primeira a ganhar liberdade entre o grupo de 28 ativistas e dois jornalistas detidos em setembro por protestarem contra a exploração de petróleo no Ártico.

Conheça a nova home do Último Segundo
Primeiras decisões: Rússia concede fiança a dois dos 30 presos por protesto

Ana Paula Maciel deixou a prisão nesta quarta-feira após dois meses
Dmitri Sharomov/Greenpeace/Divulgação
Ana Paula Maciel deixou a prisão nesta quarta-feira após dois meses

De acordo com a agência de notícias EFE, o valor da fiança imposto a Ana Paula Maciel é de dois milhões de rublos - o equivalente a R$ 138 mil.

"Meu coração de mãe sempre me disse para eu manter a fé”, comemorou a mãe da ativista, Rosangela Maciel. “Mal posso esperar para ter minha amada filha nos braços e em casa [...] Mas o caso ainda não terminou.”

Leia mais sobre o caso dos ativistas:

- Paul McCartney pede a Putin que ajude a libertar ativistas do Greenpeace
18 de setembro: Protesto em plataforma no Ártico termina em tiros e prisões
Porto Alegre: Família de brasileira presa na Rússia faz ato por sua libertação

Diretor-executivo do Greenpeace Internacional, Kumi Naidoo disse que imagens da “nossa querida amiga Ana Paula” saindo do Centro de Detenções trará “esperança” a milhões de pessoas ao redor do mundo.

“Esperamos que os outros guerreiros tenham o mesmo destino, que possam voltar para suas famílias e que sua mensagem pelo Ártico alcance as pessoas", afirmou Naidoo, com uma ressalva: “Nenhum de nossos amigos estará, de fato, em liberdade enquanto as acusações continuarem de pé e eles não voltarem para suas casas."

O caso

O navio do Greenpeace foi capturado no dia 18 de setembro por forças de segurança russas depois que membros de sua tripulação tentaram escalar uma plataforma de petróleo para impedir a exploração de petróleo no Ártico.

As acusações variam de vandalismo a pirataria. No mês passado, 11 vencedores do prêmio Nobel escreveram ao presidente russo, Vladimir Putin, pedindo que as acusações de pirataria - consideradas duras demais - fossem retiradas.

Os 28 ativistas e dois jornalistas presos são de diversas nacionalidades: Argentina, Rússia, Estados Unidos, Canadá, Itália, Ucrânia, Nova Zelândia, Holanda, Dinamarca, Austrália, Brasil, República Checa, Polônia, Turquia, Finlândia, Suécia e França.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.