Militantes islâmicos atacam delegacia e deixam 19 mortos na Somália

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Movimento ligado à Al-Qaeda assumiu autoria nesta manhã. Houve confronto com soldados e força de paz

Militantes islâmicos invadiram uma delegacia de polícia no norte da Somália nesta terça-feira e abriram fogo contra oficiais e civis que estavam no local, deixando ao menos 19 pessoas mortas, disseram autoridades e testemunhas.

Conheça a nova home do Último Segundo 
Quatro somalis são indiciados por ligação com ataque a shopping no Quênia

O Al Shabaab, movimento ligado à Al-Qaeda que matou 67 pessoas em um ataque a um shopping de Nairóbi em setembro, assumiu a autoria do ataque realizado pela manhã, e disse à Reuters que vários de seus homens conseguiram escapar do local.

Reuters
Soldados e agentes da força de paz africana no local da explosão que deixou dezenas de mortos


Houve troca de tiros no interior da delegacia em Baladweyne, perto da fronteira com a Etiópia, no início da tarde, enquanto moradores buscavam abrigo. Soldados somalis e da força de paz africana no país cercaram o local e abriram fogo. Testemunhas disseram que depois o tiroteio no interior acabou.

O grupo: Quem é o Al Shabab, grupo que reivindicou ataque no Quênia

Quênia: Presidente anuncia fim do ataque terrorista a shopping

NYT: Carnificina no Quênia reflete resistência do grupo Al-Shabab

O Al Shabaab foi expulso de muitos de seus redutos, incluindo Mogadíscio e Baladweyne, ao longo dos últimos dois anos. Mas manteve-se realizando ataques de guerrilha e com carros-bomba. O xeique Abdiasis Abu Musab, porta-voz militar do Al Shabaab, disse que os agressores tinham matado 25 homens da polícia somali e 18 membros da força de paz no país.

Os militantes islâmicos costumam exagerar sobre o número de vítimas, assim como funcionários do governo têm, por vezes, jogado para baixo o número de mortos em confrontos com insurgentes. O parlamentar somali Dahir Amin Jesow disse que alguns dos homens do Al Shabaab estão entre os 10 mortos confirmados.

"O número de mortos pode aumentar porque os militantes entraram inesperadamente e atiraram contra quem eles vissem. Nós ainda não sabemos o número exato de agressores", acrescentou Jesow.

*com Reuters e AP

Leia tudo sobre: somáliaataqueal shabaabetiópiaal-qaeda

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas