Rússia concede fiança a dois dos 30 presos por protesto do Greenpeace

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Detidos aguardam julgamento por ato contra exploração de petróleo no Ártico que ocorreu em setembro

Reuters

Um tribunal russo concedeu liberdade sob fiança nesta segunda-feira (18) a duas das 30 pessoas detidas enquanto aguardam julgamento por um protesto do Greenpeace em 18 de setembro contra a exploração de petróleo no Ártico.

Conheça a nova home do Último Segundo

Reuters
Navio Arctic Sunrise, de bandeira holandesa

A corte determinou que Yekaterina Zaspa, cidadã russa que trabalhava como médica do navio do Greenpeace utilizado no protesto, mas que não está entre os ativistas que tentaram escalar a plataforma de petróleo, pode ser solta com o pagamento de fiança de 2 milhões de rublos (61.300 dólares). O juiz concedeu uma decisão semelhante para Denis Sinyakov, um fotógrafo de 36 anos que estava a bordo do Arctic Sunrise.

Uma corte separada de São Petersburgo negou pedido de fiança a outro preso por envolvimento no protesto, o australiano Colin Russell, nesta segunda, atendendo a pedido da promotoria para prorrogar a prisão dele até 24 de fevereiro. Ele era operador de rádio do Arctic Sunrise, o navio do Greenpeace usado no protesto de 28 de setembro.

Mais: Rússia pede prorrogação da prisão de ativistas do Greenpeace

A brasileira Ana Paula Maciel está entre os ativistas presos por envolvimento no protesto. Tribunais negaram repetidamente pedidos de fiança anteriores de todas as 30 pessoas, cujo prazo de custódia termina em 24 de novembro.

Mas o juiz na audiência de Yekaterina disse que não há motivos para estender sua prisão por mais três meses. A russa de 37 anos sorriu quando ouviu a decisão dentro de uma prisão no tribunal.

Não ficou imediatamente claro por que o tribunal concordou em libertar os dois russos sob fiança e ampliar o prazo de custódia para Russell, que não tentou escalar a plataforma.

Leia também: Paul McCartney pede a Putin que ajude a libertar ativistas do Greenpeace

"Estou aqui para defender minha inocência. Eu não cometi um crime. Nunca fui violento", disse Russell, que foi levado ao tribunal algemado e confinado a uma cadeia.

Líderes ocidentais, incluindo a chanceler alemã, Angela Merkel, expressaram preocupação sobre o caso para o presidente russo, Vladimir Putin, e celebridades têm manifestado apoio aos ativistas do Greenpeace. O ex-Beatle Paul McCartney pediu a Putin para ajudar na libertação deles.

Leia tudo sobre: rússiafiançagreenpeaceativistasprotesto

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas