Organização alertou ainda para um cenário de uma eventual propagação de doenças como cólera ou o tétano

Agência Brasil

A organização Médicos sem Fronteiras (MSF) alertou para a vulnerabilidade das crianças afetadas pelo Tufão Haiyan nas Filipinas e para um cenário de uma eventual propagação de doenças como cólera ou o tétano.

Conheça a nova home do Último Segundo

Saiba mais: Sobe para 3.621 número oficial de mortos em tufão das Filipinas

Cinco dias após tufão, Tacloban ainda parecia zona de guerra
BBC
Cinco dias após tufão, Tacloban ainda parecia zona de guerra

Em comunicado, a organização não governamental diz ter identificado os primeiros casos de tétano em Guiuan, na Ilha de Samar, a primeira a ser golpeada pelo tufão Haiyan e uma das últimas a receber assistência humanitária. Segundo o mais recente balanço oficial, o Tufão Haiyan, um dos mais poderosos que atingiu as Filipinas há uma semana, matou 3.621 pessoas.

“Antecipamos um aumento significativo de complicações respiratórias e de diarreia entre a população infantil”, disse o presidente da MSF na Espanha, José Antonio Bastos, alertando para a existência de um número expressivo de feridos, com diferentes graus de gravidade, com “potencial enorme” de piorar, caso não recebam tratamento.

O mesmo responsável advertiu ainda, em declarações citadas pela agência EFE, para o risco de infecções epidémicas – como a cólera e, em particular, a leptospirose, provocada por uma bactéria transmitida pela urina e fezes de ratos na água em contacto com as pessoas. Uma infeção que “pode ser grave e potencialmente mortal sem tratamento”, explicou.

Em Guiuan, as equipas da MSF encontraram o hospital completamente destruído, tendo montado clínicas móveis nas quais assistem os feridos. Depois de “enormes dificuldades e um ‘pesadelo’ logístico”, a MSF disse ter alcançado as quatro ilhas mais afetadas – Leyte, Samar, Panay e Cebu –, onde encontraram um cenário de destruição e uma situação climática adversa.

O Haiyan arrasou cerca de 90% de Guiuan (Samar), mais de 70% de Tacloban (Leyte) e metade da cidade de Roxas (Panay), na zona central do arquipélago.

Com cerca de uma centena de profissionais em terra e aproximadamente 200 toneladas de ajuda – que vai ser reforçada nos próximos dias –, a MSF tenta chegar às áreas mais remotas que mais preocupação geram pelo seu isolamento.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.