Lucro de produtores da papoula deve alcançar R$ 2,3 bilhões e serve para alimentar insurgência do Taleban

Reuters

O cultivo de ópio no Afeganistão bateu um novo recorde, enquanto as forças internacionais se preparam para deixar o país, disse a ONU nesta quarta-feira (13), em meio a preocupações de que os lucros serão destinados a comandantes de milícias que disputam poder com vistas à eleição presidencial de 2014.

Conheça a nova home do Último Segundo

Afegãos fazem colheita  de ópio em um campo de papoula localizado no distrito de Golestan da província de Farah
Reuters
Afegãos fazem colheita de ópio em um campo de papoula localizado no distrito de Golestan da província de Farah

A expansão da papoula para 209 mil hectares deve constranger os doadores de ajuda ao Afeganistão, após mais de dez anos de esforços para afastar os produtores desse cultivo, combater a corrupção e interromper os vínculos entre as drogas e a insurgência do Taleban.

Abril: Afeganistão se torna país com maior proporção de viciados em drogas

Entenda: Cultivo da papoula ressurge como ameaça no Afeganistão

"O prognóstico em curto prazo não é positivo", disse Jean-Luc Lemahieu, diretor do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC, na sigla em inglês) no Afeganistão. "A economia ilícita está se estabelecendo, e parece estar superando em importância a economia lícita."

O Afeganistão é o maior produtor mundial de papoula, planta que dá origem ao ópio e à heroína. No ano passado, o país respondeu por 75% do suprimento global, e Lemahieu havia dito anteriormente que poderia chegar neste ano a 90%.

A falta de fiscalização, já que as tropas estrangeiras estão recuando das suas posições para se preparar para a retirada em 2014 , a elevada cotação do ópio no ano passado e a crescente escassez de vontade política afegã para enfrentar o problema contribuem com a expansão da produção, segundo Lemahieu.

Geopolítica: Entenda por que o Afeganistão é estratégico

Histórico:  Invasões e conflitos marcam história do Afeganistão

A área cultivada com papoula cresceu 36% em relação a 2012, superando o recorde anterior, de 193 mil hectares cultivados em 2007, segundo relatório da agência antidrogas da ONU. A produção total é estimada em 5,5 mil toneladas de ópio, alta de 49% em relação às 3,7 mil toneladas de 2012.

O lucro para os produtores deve se aproximar de US$ 1 bilhão (R$ 2,3 bilhões), ou 4% do PIB afegão. Parte desse lucro deverá servir para alimentar a insurgência do Taleban, mas, reservadamente, autoridades afegãs também acusam membros graduados do governo de se beneficiarem.

As novas cifras são parte de uma avaliação anual sobre a produção de ópio pelo UNODC e pelo Ministério de Combate aos Narcóticos.

NYT: Soldados americanos aprendem agricultura afegã antes de missão

O relatório revelou que duas províncias do norte, Balkh e Faryab, voltaram a cultivar papoula depois de serem declaradas no ano passado como áreas de cultivo erradicado.

Uma gradual redução nas verbas estrangeiras, à medida que aliados se tornam receosos em ajudar o Afeganistão, está levando parte da elite afegã a buscar lucros na papoula. "Quando se trata da economia ilícita, há pouquíssima diferença entre os insurgentes e as pessoas do outro lado", disse Lemahieu.

O Afeganistão tem um sério problema de dependência em drogas, mas a maior parte da produção é contrabandeada para o exterior, especialmente a Europa.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.