Ataques ocorreram pouco antes do fim de um festival religioso de xiitas; nenhum grupo reivindicou autoria

Reuters

Ao menos 19 morreram nesta quarta-feira (13) em ataques a bomba contra a polícia e peregrinos, pouco antes do fim de um festival religioso de muçulmanos xiitas, informaram fontes de segurança e médicas.

Conheça a nova home do Último Segundo

Peregrinos xiitas praticam autoflagelação durante Muharram, importante período religioso, em Karbala
AP
Peregrinos xiitas praticam autoflagelação durante Muharram, importante período religioso, em Karbala

Nenhum grupo assumiu de imediato a responsabilidade pelos atentados, que coincidiram com o ritual sagrado de Ashura, em que xiitas homenageiam o imã Hussein, morto há mais de mil anos. O ritual de 10 dias termina na quinta-feira.

Os xiitas são considerados apóstatas pelos insurgentes extremistas islâmicos sunitas, que têm recuperado o ímpeto este ano no Iraque.

Em outubro: Ataques a bomba no Iraque matam cerca de 50 pessoas

Iraque e Afeganistão: Jornalistas desenvolvem táticas para escapar da morte

Equipes de segurança também são um alvo principal para os militantes sunitas ligados à Al-Qaeda, que buscam desestabilizar o governo do Iraque liderado pelos xiitas e alimentar o conflito entre as comunidades.

No ataque mais violento, 10 foram mortos quando um homem-bomba dirigiu um caminhão cheio de explosivos perto de um posto de checagem da polícia na cidade de al-Alam, próxima a Tikrit, informou a polícia.

Violência: Explosão em Bagdá deixa pelo menos 38 mortos

Militantes islâmicos sunitas e outros insurgentes possuem um ponto de apoio em Tikrit. "Um motorista de caminhão alcançou o ponto de checagem e quando a polícia pediu para encostar, ocorreu uma poderosa explosão, matando dois policiais e oito transeuntes inocentes", disse o coronel da polícia Khalid Mahdi.

Perto da cidade de Baquba, três bombas explodiram próximo a um grupo de peregrinos xiitas que comemoravam a Ashura, matando nove, disseram fontes de segurança e médicas.

A violência começou a aliviar depois que a afiliada iraquiana da Al-Qaeda foi forçada à clandestinidade em 2007, mas voltou a aumentar, com mais de 7,5 mil civis mortos até agora em 2013, de acordo com o grupo de monitoramento Iraq Body Count.

Autoridades iraquianas culparam a Al-Qaeda e a guerra civil na vizinha Síria, que atrai militantes sunitas em luta contra o presidente Bashar al-Assad , aliado do Irã xiita, pela volta da violência.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.