Sem necrotério, cidade nas Filipinas atingida por tufão amontoa corpos em capela

Por AP | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Estima-se que cidade de Tacloban, uma das mais atingidas pelo tufão Haiyan, tenha um saldo total de 10 mil mortos

AP

Não existe nenhum necrotério funcionando, então, as pessoas estão recolhendo os corpos dos mortos pelo tufão Haiyan e armazenando-os onde é póssível - neste caso, na Capela do Arcângelo São Miguel.

Conheça a nova home do Último Segundo

Centenas de mortos: Filipinos imploram por ajuda após tufão

Dez corpos foram colocados sobre bancos da igreja e pisos brancos sujos de sangue, detritos e água. Um corpo tem espuma em sua boca. Outro, foi enrolado em um lençol branco, preso com uma vara de bambu verde para poder ser carregado.

Residentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APResidentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APRecém-nascido Bea Joy é carregado enquanto a mãe Emily Ortega, 21 anos, descansa após ter dado à luz em hospital improvisado no aeroporto de Tacloban (11/11). Foto: APSobreviventes carregam sacos de arroz de um armazém atingido pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes caminham por entre os destroços provocados pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes cobrem seus narizes por causa do cheiro da putrefação dos corpos nas ruas após a passagem de um tufão na cidade de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APTufão pode ter matado mais de 10 mil nas Filipinas (10/11). Foto: APMorador observa causas danificadas pelo tufão Haiyan em Tacloban, província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APCasas destruídas em Tacloban, na província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APUma casa é atingida pela tempestade trazida pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi (8/11). Foto: APFuncionários avaliam estrago depois que árvore de Natal gigante foi derrubada por fortes ventos do tufão Haiyan em Cebu, Filipinas (8/11). Foto: APMoradores caminham no litoral em meio a uma tempestade provocada pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi, Filipinas (8/11). Foto: APImagem fornecida pela NOAA mostra o tufão Haiyan enquanto atravessa e arrasa Filipinas (8/11). Foto: APMoradores tentam liberar rodovia após ventos do tufão Haiyan derrubarem árvores na província de Cebu, nas Filipinas (8/11). Foto: APResidentes limpam uma estrada depois que árvores foram derrubadas com os ventos do tufão Haiyan que atingiu a província de Cebu, Filipinas (8/11). Foto: AP


Um corpo é pequeno, e está inteiramente coberto em um cobertor vermelho. "Esse é o meu filho", diz Nestor Librrando, um carpinteiro de 31 anos. "Ele se afogou."

Librando se refugiou em um complexo militar próximo no momento em que o tufão tocou o solo das Filipinas na sexta-feira de manhã. Por duas horas, a água o cercou. Ele segurou seu filho de dois anos em um braço, e seu filho de três anos no outro.

Vídeo: Fome e sede ameaçam sobreviventes de tufão nas Filipinas

Medo do futuro: Sobreviventes de tufão relatam momentos de horror

Mas a correnteza foi forte demais e levou a família para fora do prédio. A água cobriu a cabeça de Librando e ele tentou nadar. Seu filho mais jovem escorregou de suas mãos e foi imediatamente puxado pela força da água.

"Encontrei seu corpo depois, atrás da casa, no quintal, afundado na lama", disse.

"Essa é a pior coisa que eu já vi na minha vida, a pior coisa que eu poderia imaginar", disse Librando. "Eu trouxe seu corpo a essa capela, porque não havia outro lugar que eu pudesse levá-lo. Eu queria que Jesus Cristo o abençoasse."

A capela fica próxima do aeroporto de Tacloban, em uma região onde a tempestade derrubou centenas de árvores. A enchete atingiu a região com tanta força, que postes de luz de uma estrada foram dobrados, formando um ângulo reto.

Estimativa: Tufão Haiyan pode ter matado mais de 10 mil nas Filipinas

Imagens: Vídeo mostra supertufão que arrasou as Filipinas

Em um lago a oeste do terminal do aeroporto, três corpos jazem por entre as pedras. Um homem, vestindo bermuda azul e com o rosto virado para baixo. Uma criança com os braços amarelados e um pequeno bebê.

Há sobreviventes também, incluindo Junick de la Rea, 22 anos. Ele disse que a força da água o empurrou de cima de um telhado onde ele havia tentado escapar da força da tempestade com outros cinco parentes. Todos eles sobreviveram agarrando-se a pedaços de plástico e metal.

Na sexta-feira: Tufão mais forte do ano atinge Filipinas

"Por favor, você pode me ajudar?", pergunta de la Rea a um repórter. "Eu quero mandar uma mensagem a um amigo meu", um amigo que trabalha na Cruz Vermelha da Alemanha. "Nós sobrevivemos. Eu quero dizer que nós sobrevivemos. Perdemos tudo. Mas ainda estamos vivos - e precisamos de ajuda."

Leia tudo sobre: tufãofilipinastufão nas filipinastacloban

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas