Irã e potências mundiais não chegam a acordo nuclear em Genebra

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Diálogo deve ser retomado em 10 dias, em nova tentativa de acabar com o impasse que se arrasta há uma década

Reuters

O Irã e seis potências mundiais não conseguiram chegar a um acordo na maratona de negociações para conter o programa nuclear iraniano, mas afirmaram que as diferenças diminuíram e que deverão retomar o diálogo em 10 dias em uma nova tentativa de acabar com o impasse que se arrasta há uma década.

Mas divisões claras surgiram entre os Estados Unidos e seus aliados europeus no último dia de negociações, já que a França deu a entender que a proposta em discussão não neutralizaria suficientemente a ameaça de uma bomba nuclear iraniana.

Denis Balibouse/Reuters
Irã quer acordo que alivie sanções internacionais e o permita vender seu petróleo

As principais potências mundiais suspeitam que o Irã esteja tentando desenvolver armas nucleares e, por isso, a comunidade internacional impôs punições à República Islâmica, que insiste no caráter pacífico das suas atividades.

O Irã espera por um acordo que alivie as sanções internacionais que congelaram seus ativos ao redor do mundo e têm impedido o país de vender o petróleo que produz.

São, finalmente, os norte-americanos e os iranianos, que não tiveram vínculos formais diplomáticos há mais de três décadas, que têm o poder de fazer um acordo.

Mas no sábado, a atenção de repente se virou para a França, depois que o chanceler francês, Laurent Fabius, disse à rádio France Inter que Paris não poderia aceitar um acordo fraco com o Irã.

"Desde o início, a França queria um acordo para a importante questão do programa nuclear do Irã", disse Fabius a jornalistas após a reunião, que durou até as primeiras horas deste domingo.

"A reunião de Genebra nos permitiu avançar, mas não fomos capazes de concluir, porque ainda há algumas questões a serem abordadas", disse Fabius.

As observações pontuais do chanceler irritaram outras potências. Um diplomata próximo das negociações disse que os franceses estavam tentando ofuscar as outras potências e estavam causando problemas desnecessários para os participantes nas negociações que pretendem garantir um acordo com o Irã.

"Os norte-americanos, a União Europeia e os iranianos têm trabalhado intensamente juntos há meses sobre esta proposta e isso nada mais é do que uma tentativa de Fabius de ter alguma relevância no fim das negociações", disse o diplomata à Reuters sob condição de anonimato.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, minimizou as sugestões de um racha, dizendo: "Eu acho que hoje há uma unidade em nossa posição e uma unidade ao sairmos daqui."

A chefe de política externa da UE, Catherine Ashton, disse que altos funcionários políticos do Irã e os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) mais a Alemanha irão se reunir novamente em 20 de novembro.

Leia tudo sobre: MUNDOIRANUCLEARFRACASSA

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas