Tufão mais forte do ano atinge Filipinas

Por iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Com ventos de até 200 km/h, Haiyan provocou quatro mortes, deslizamentos de terra e quedas de energia

O tufão mais forte do ano atingiu a região central das Filipinas nesta sexta-feira (8), provocando deslizamentos de terra e derrubando a energia e as linhas telefônicas em vários Estados. O tufão deixou ao menos quatro mortos.

Conheça a nova home do Último Segundo

Imagens: Veja vídeo do tufão que arrasou as Filipinas

AP
Uma casa é atingida pela tempestade trazida pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi

O tufão Haiyan arrasou uma série de ilhas de leste a oeste - Samar, Leyte, Cebu e Panay - e provocou transtornos nos vilarejos de praia com ventos de até 200 km/h. Aproximadamente 720 mil moradores foram retirados de suas casas.

Devido ao corte nas comunicações, era impossível saber a extensão dos mortos, feridos e estragos materiais. Até agora, sabe-se que duas pessoas morreram eletrocutadas em acidentes relacionados ao tufão, uma morreu com a queda de uma árvore e outra com um relâmpago.

O governador de Leyte do Sul, Roger Mercado, disse que o supertufão provocou deslizamentos que bloquearam rodovias, arrancaram árvores e telhados de casas. As densas nuvens e fortes chuvas fizeram o dia parecer noite, segundo Mercado.

Japão: Tufão incomum ameaça Tóquio e prejudica transporte de petróleo

Ventos de 90 km/h: Ciclone deixa rastro de destruição na Índia

"Quando você se depara com um cenário como este, pode apenas rezar, rezar e rezar", disse Mercado à Associated Press por telefone, acrescentando que os prefeitos na cidade ainda não falaram de nenhum grande dano provocado.

"Espero que isso signifique que eles foram poupados e não o contrário", disse. "Meu maior medo é que haja muitas perdas de vida e de propriedades."

Veja mais imagens da destruição do tufão Haiyan:

Residentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APResidentes se amontoam para receber tratamento e suprimentos no aeroporto de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APRecém-nascido Bea Joy é carregado enquanto a mãe Emily Ortega, 21 anos, descansa após ter dado à luz em hospital improvisado no aeroporto de Tacloban (11/11). Foto: APSobreviventes carregam sacos de arroz de um armazém atingido pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes caminham por entre os destroços provocados pelo tufão Haiyan em Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APSobreviventes cobrem seus narizes por causa do cheiro da putrefação dos corpos nas ruas após a passagem de um tufão na cidade de Tacloban, Filipinas (11/11). Foto: APTufão pode ter matado mais de 10 mil nas Filipinas (10/11). Foto: APMorador observa causas danificadas pelo tufão Haiyan em Tacloban, província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APCasas destruídas em Tacloban, na província de Leyte, Filipinas (10/11). Foto: APUma casa é atingida pela tempestade trazida pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi (8/11). Foto: APFuncionários avaliam estrago depois que árvore de Natal gigante foi derrubada por fortes ventos do tufão Haiyan em Cebu, Filipinas (8/11). Foto: APMoradores caminham no litoral em meio a uma tempestade provocada pelo poderoso tufão Haiyan na cidade de Legazpi, Filipinas (8/11). Foto: APImagem fornecida pela NOAA mostra o tufão Haiyan enquanto atravessa e arrasa Filipinas (8/11). Foto: APMoradores tentam liberar rodovia após ventos do tufão Haiyan derrubarem árvores na província de Cebu, nas Filipinas (8/11). Foto: APResidentes limpam uma estrada depois que árvores foram derrubadas com os ventos do tufão Haiyan que atingiu a província de Cebu, Filipinas (8/11). Foto: AP

Meteorologistas afirmam que o Haiyan sustenta ventos de até 235 km/h, com rajadas de 275 km/h quando tocar o solo. Isso faz dele o maior tufão deste ano, disse Aldczar Aurelio, autoridade meteorológica do governo.

Eduardo del Rosario, chefe da defesa civil, disse que um poderoso tufão com força similar que atingiu as Filipinas em novembro de 1990 matou 508 pessoas e deixou 246 desaparecidas, mas que, dessa vez, as autoridades conseguiram retirar moradores de locais de risco antes que o tufão atingisse o país para minimizar as perdas.

Com AP

Leia tudo sobre: tufãotufão haiyanfilipinasdeslizamento de terramorte

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas