Questão nuclear não é insolúvel, diz Irã antes de diálogo com potências

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Representantes do país se reúnem com autoridades de seis potências em Genebra na segunda rodada de negociações

O ministro das Relações Exteriores do Irã expressou nesta quinta-feira (7) um otimismo cauteloso em relação à nova rodada de negociações com as potências sobre seu programa nuclear, dizendo que a questão "não é insolúvel".

Conheça a nova home do Último Segundo

Ruben Sprich/Reuters
Mohammad Javad Zarif, ministro das Relações Exteriores do Irã, faz discurso (foto de arquivo)

Seis potências mundiais - EUA, Rússia, Reino Unido, China, França e Alemanha - se encontrarão nesta quinta e sexta-feira em Genebra para tentar estabelecer um roteiro que leve ao fim do impasse sobre o programa nuclear de Teerã.

Os EUA e seus aliados temem que a república islâmica esteja desenvolvendo seu programa nuclear com fins bélicos, acusação que o Irã nega, dizendo que seu programa possui objetivos pacíficos.

Novembro: Irã anuncia nova rodada de diálogos sobre programa nuclear

Genebra: Irã apresenta propostas para programa nuclear durante conferência

Mais: Potências dão início a negociações sobre programa nuclear do Irã

O chanceler Javad Zarif disse que o diálogo seria "muito trabalhoso", mas que o objetivo era "superar um muro de desconfiança" criado pelas políticas do Ocidente. Por causa de seu programa nuclear, o Irã é alvo de sanções que prejudicaram sua economia nos últimos anos.

Em comentários feitos a uma entrevista na televisão nesta quinta, Zarif repetiu que "impedir a busca por armas nucleares é uma política da República Islâmica do Irã".

Infográfico: Saiba mais sobre o mundo nuclear

Antes das negociações, ele se encontrou com a enviada da União Europeia Catherine Ashton em um café da manhã. O porta-voz dela descreveu a reunião como um bom encontro e Zarif afirmou que um acordo estava dentro do alcance.

Após as reuniões no mês passado, negociadores internacionais disseram que consideravam uma proposta do Irã. Nenhum detalhe foi divulgado até o momento.

A última rodada de negociações juntou autoridades do Irã e representantes dos membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU mais a Alemanha. Antes deste segundo encontro, uma autoridade do governo americano disse a repórteres que Washington quer que Teerã acorde um "primeiro passo" para impedir o avanço de seu programa.

A autoridade, que falou em condição de anonimato, disse que os EUA esperavam um "entendimento inicial que impeça o programa nuclear do Irã de avançar e retroceda pela primeira vez em décadas".

Otimismo: Irã espera que reunião resulte em roteiro para fim de impasse

Netanyahu: 'Acordo parcial com Irã é mau acordo', diz premiê de Israel

Por diversas vezes, entretanto, líderes de Israel fizeram um alerta de que não aceitariam qualquer acordo parcial. Uma autoridade disse que Israel tomou conhecimento de uma proposta sob a qual o Irã cessaria todo o enriquecimento de urânio a 20% - um passo para conquistar capacidade para produzir armas nucleares - e diminuiria o ritmo de trabalho do reator em Arak.

Em troca, segundo disse a autoridade isralense, as sanções econômicas contra o Irã seriam reduzidas. "Israel acredita que esse seja um mau acordo e vai se opor fortemente à sua implementação", disse.

O Irã quer que as dolorosas sanções internacionais sejam suspensas em troca de possíveis concessões que, no passado, o país não estava disposto a considerar, como um aumento do monitoramento internacional em seu programa nuclear e a redução do nível de enriquecimento de seu urânio - uma forma potencial de produzir armas nucleares e o centro de um impasse com o Ocidente.

Negociações internacionais para reduzir os temores de que o Irã estaria interessado em fabricar armas atômicas estão paralisadas há mais de 10 anos, com Teerã insistindo que sua produção é pacífica.

Mas o diálogo aparentemente tomou um novo rumo desde que o presidente reformista Hassan Rouhani foi eleito no Irã em junho.

Com AP, BBC e Reuters

Leia tudo sobre: irãprograma nucleareuarússiachinareino unidofrançaalemanhaisraelarmas nucleares

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas