Democrata se prepara para vitória esmagadora em eleição para prefeito de NY

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Bill de Blasio deve derrotar Joe Lhota na eleição desta terça; segundo pesquisas, ele tem 40 pontos de vantagem

Reuters

O democrata Bill de Blasio enfrenta o desafio de cumprir grandes expectativas na disputa pela eleição para a prefeitura de Nova York nesta terça-feira (5), com uma liderança de 40 pontos sobre o republicano Joe Lhota nas pesquisas de opinião.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Candidato Bill De Blasio e sua mulher Chirlane acenam após a vitória nas primárias da eleição para a prefeitura de Nova York

De Blasio, procurador público da cidade que vem fazendo campanha pelo combate à desigualdade, ampliação do acesso ao jardim de infância e o combate ao fechamento de hospitais comunitários, é o claro favorito desde que ganhou a indicação democrata em setembro. Se eleito, vai suceder Michael Bloomberg.

Lhota, que foi vice-prefeito no mandato de Rudolph Giuliani e mais tarde chefe da Autoridade de Transporte Metropolitano, insiste que é o candidato da mudança e que De Blasio vai levar a cidade de volta a seus dias negros de alta criminalidade e pobre administração fiscal. "Só há uma pesquisa que conta, e é a que fecha às 21h", disse Lhota.

Lucas Mendes: Vitória na cabeça

Uma pesquisa do instituto Marist divulgada na segunda-feira (4) mostrou De Blasio à frente de Lhota por 65% a 24% entre os prováveis eleitores. "Bill de Blasio continua o grande favorito entre os eleitores da cidade de Nova York", disse Lee Miringoff, do Marist.

Os democratas estão fora da prefeitura de NY há duas décadas, apesar de manter uma vantagem de seis para um sobre os republicanos entre os eleitores registrados.

A campanha vem sendo tanto sobre as políticas de Bloomberg, que deixa o cargo no final do ano depois de três mandatos, como da visão dos candidatos para o futuro.

De Blasio frequentemente fala sobre "as duas Nova Yorks", uma rica e uma pobre, e em como a cidade deixou nova-iorquinos menos afortunados para trás enquanto o contraste entre os que têm e os que não têm cresce cada vez mais.

Ele criticou principalmente a polêmica política do "pare e reviste", que os críticos dizem atingir injustamente os negros e latinos pobres. Bloomberg descreveu a tática como central na sua luta contra o crime, enquanto De Blasio a criticou por ser destrutiva tanto para a polícia quanto para as relações da comunidade.

Lhota lançou um ataque com propagandas negativas para tentar reduzir a vantagem do adversário. Mas essa estratégia de modo geral não deu certo, com um número crescente de eleitores dizendo ter uma opinião negativa do republicano, segundo o Marist.

Durante três debates, a tática de Blasio de ligar Lhota aos republicanos e aos políticos do grupo conservador Tea Party no Congresso foi mais bem-sucedida, obrigando Lhota a se distanciar do seu partido.

Leia tudo sobre: nova yorkeleiçõeseuabill de blasiojoe lhota

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas