Kerry exalta descontente Arábia Saudita como importante aliada

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Em giro de 9 dias, secretário de Estado busca afagar aliados irritados com abordagem dos EUA com Irã e Síria

Reuters

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, elogiou nesta segunda-feira (4) a Arábia Saudita como um aliado "muito, muito importante" durante sua visita ao país em missão para aliviar tensões nas relações suscitadas pela política norte-americana em relação ao Irã, Síria e a questão palestina.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, conversa com o chanceler saudita Saud al-Faisal, em Riyadh

Kerry, que percorre a região após uma onda de sinais emitidos pelo reino saudita de que desaprova a abordagem recente de Washington, reuniu-se com o chanceler, príncipe Saud al-Faisal, na manhã desta segunda e a seguir encontrou-se com o rei Abdullah.

Para amenizar danos: Secretário de Estado viaja à Europa e Oriente Médio

"Nós temos coisas muito importantes a tratar para assegurar de que as relações entre os EUA e a Arábia Saudita estejam no caminho certo, progredindo e agindo para atingir aquilo que precisamos", disse Kerry aos funcionários da embaixada dos EUA.

As relações de Washington com os sauditas são cruciais com a região passando por transformações e desafios, desde a transição política no Egito até a guerra civil na Síria.

Protesto:
Arábia Saudita rejeita vaga do Conselho de Segurança da ONU
Arábia Saudita cancela discurso na ONU pela primeira vez na história

"Os sauditas são muito, muito importantes para nós. Os sauditas são realmente o principal agente no mundo árabe, junto com o Egito", disse ele.

A Arábia Saudita, principal aliado árabe de Washington, está irritada sobre o que vê como uma fraca política externa conduzida pelo governo do presidente dos EUA, Barack Obama, o que tem permitido a Israel continuar a erguer assentamentos nos território palestinos e que o conflito persista na Síria.

As preocupações sauditas também estão parcialmente fundamentadas no receio de que as medidas tomadas por Obama para reduzir as tensões com o Irã possam fornecer ao principal adversário regional de Riad uma oportunidade de expandir sua influência sobre países árabes.

Antes da reunião com o chanceler árabe, Kerry reiterou que os EUA estão determinados a impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear. O Irã alega enriquecer urânio somente com propósitos civis de geração de energia.

A visita de Kerry é a primeira desde que o chefe da inteligência saudita alertou no mês passado sobre um "afastamento" de Washington e disse que a abdicação de Riad de seu assento no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas significava uma mensagem aos EUA.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas