Em manifesto, Snowden defende os vazamentos sobre o serviço secreto dos EUA

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Snowden diz, em revista alemã, que o atual debate sobre espionagem em vários países mostra que as suas revelações estão ajudando a trazer mudanças

Reuters

AP Photo/The Guardian
Edward Snowden, o ex-agente de inteligência norte-americano asilado na Rússia

Edward Snowden, o fugitivo ex-prestador de serviços de uma agência de inteligência norte-americana, afirmou que os chamados por maior controle sobre os serviços de inteligência mostram que foram justificadas as revelações que ele fez sobre métodos e alvos do serviço secreto dos Estados Unidos.

Conheça a nova home do Último Segundo

Relembre as principais denúncias sobre a espionagem dos EUA

As informações vazadas por Snowden sobre a Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA, na sigla em inglês), sobre os supostos monitoramentos de emails e de telefonemas de líderes mundiais, têm deixado aliados dos Estados Unidos enfurecidos.

No "Um Manifesto pela Verdade", publicado na revista alemã Der Spiegel neste domingo, Snowden diz que o atual debate sobre o tema em vários países mostra que as suas revelações estão ajudando a trazer mudanças. "Em vez de causar danos, a utilidade do conhecimento público é agora clara, porque reformas e leis estão sendo sugeridas", escreveu ele.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Alemanha: Merkel cobra explicações de Obama sobre suposta espionagem
70 milhões: Telefones da França foram alvo de espionagem dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China

"Os cidadãos têm o direito de lutar contra a supressão de informações sobre temas de importância essencial para o público. Aqueles que falam a verdade não estão cometendo nenhum crime." Snowden, de 30 anos, está asilado na Rússia, onde ele deve ficar por pelo menos um ano.

Numa carta aberta à Alemanha na semana passada, Snowden disse que contava com o apoio internacional para interromper a "perseguição" de Washington contra ele.

As revelações sobre o alcance e os métodos de monitoramento da NSA irritaram aliados norte-americanos como Brasil e Alemanha. Admiradores têm Snowden como um herói dos direitos humanos. Outros dizem que ele é um traidor por roubar informações da NSA.

Snowden teria recusado um trabalho num site de relacionamentos russo, segundo a imprensa local.

Leia tudo sobre: snowdennsaespionagem europa eua

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas