China encerrará transplantes com órgãos de prisioneiros executados

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

300 mil pacientes entram todo ano na fila de transplantes, mas apenas um a cada 30 consegue o transplante

Reuters

A China, o único país que ainda sistematicamente retira órgãos de prisioneiros executados para operações de transplante, planeja encerrar essa polêmica prática até a metade do próximo ano, afirmou neste sábado uma autoridade.

Leia também: Chinês condenado à morte oferece os órgãos por clemência

Até meados de 2014, todos os hospitais licenciados para transplantes terão que interromper o uso de órgãos de pessoas executadas e utilizar apenas os que forem doados voluntariamente e registrados no sistema nacional, afirmou Huang Jiefu, ex-vice-ministro da Saúde, que atualmente coordena a reforma no sistema de transplantes.

Mais: Chinês tem novo nariz implantado na testa

A oferta de órgãos é escassa na China, em partes por crenças tradicionais de que o corpo deve ser cremado e enterrado intacto. Cerca de 300 mil pacientes entram todos os anos na fila para transplantes, e apenas um a cada 30 consegue realizar a cirurgia.

A escassez alimentou o tráfico de órgãos, e em 2007 o governo proibiu doações de pessoas vivas, exceto cônjuges e parentes de sangue ou integrantes adotados da família.

Huang, um cirurgião de transplantes treinado na Austrália, admitiu que o problema do mercado negro de órgãos não será fácil de ser resolvido na China.

"O comércio ilegal de órgãos será inevitável na sociedade chinesa durante muitos anos ainda. A grande demanda é uma das causas. Enquanto houver uma diferença entre oferta e demanda, o tráfico ilegal de órgãos não vai desaparecer, mas o governo continuará a combate-lo", afirmou.

(Por Li Hui e Ben Blanchard)

Leia tudo sobre: MUNDOCHINAORGAOSPROIBE

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas