Presidente do Peru dispensa premiê e deve fazer mais trocas no gabinete

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Ollanta Humala tenta recuperar fôlego em segunda metade de seu mandato diante de queda de popularidade

Reuters

O presidente do Peru, Ollanta Humala, dispensou o primeiro-ministro e deve ordenar outras mudanças no gabinete esta semana, na tentativa de recuperar o fôlego na segunda metade do mandato mediante uma queda de popularidade.

Conheça a nova home do Último Segundo

Reuters
O presidente do Peru, Ollanta Humala, faz pronunciamento na TV (foto de arquivo)

O premiê Juan Jiménez, nomeado em julho do ano passado, anunciou na terça-feira (29) que será substituído pelo atual governador da região de San Martín, César Villanueva, um administrador de empresas com proeminente liderança no interior do país.

"Falamos com o presidente e disse ser o momento, e foram dadas as circunstâncias da minha saída que agora se confirma", disse Jímenez em uma entrevista a uma TV regional.

A troca de premiês ocorre em um momento no qual Humala tenta realizar uma série de reformas nos setores de saúde e educação para beneficiar com maior rapidez a grande faixa de peruanos pobres que ainda não sentem os benefícios do crescimento da economia.

Julho: Milhares saem às ruas contra governo do presidente Humala

Manifestações: Protesto contra o governo termina em violência no Peru

A saída de Jiménez era esperada há meses, mas ele continuou no cargo apesar das críticas da oposição em torno de temas como a segurança e os riscos da agitação social.

Villanueva é agora o quarto primeiro-ministro do presidente Humala, cuja aprovação a sua gestão caiu ao pior nível desde que assumiu o mandato em julho de 2011.

Com a saída de Jiménez, os outros 18 ministros do governo peruanos colocaram seus cargos à disposição para que o novo premiê os confirme ou realize as mudanças que julgar convenientes, de acordo com as normas do Executivo.

O novo gabinete deve assumir o posto na quinta-feira (31), disseram fontes próxima do governo à Reuters.

Leia tudo sobre: peruhumalapremiêmanifestações

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas