Polícia da China prende cinco suspeitos em 'ataque' na Praça da Paz Celestial

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo comunicado, responsáveis pelo atentado seriam membros de minoria étnica muçulmana de Xinjiang

A polícia anunciou as prisões nesta quarta-feira (30) de cinco pessoas em conexão com a colisão de um carro no coração da capital chinesa, caracterizando o incidente como um ataque terrorista planejado - o primeiro na história recente de Pequim - e identificando os responsáveis como membros de uma minoria muçulmana.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Policiais fazem guarda na Praça da Paz Celestial, onde um carro bateu, pegou foto e deixou mortos

A polícia afirmou que cinco suspeitos foram detidos no mesmo dia do ataque contra a Cidade Proibida perto da Praça da Paz Celestial, na região culturalmente e politicamente sensível de Pequim, onde os líderes do Partido Comunista da China vivem e trabalham.

Praça da Paz Celestial: China investiga suspeitos de dirigir carro que matou cinco

28 de outubro: Carro atropela multidão, pega fogo e deixa cinco mortos

Um comunicado divulgado no microblog da polícia de Pequim afirmou que os autores do ataque foram identificados como um homem com um nome da etnia uigur, sua esposa e sua mãe. OS cinco suspeitos presos sob suspeita de conspirar no ataque também foram identificados com nomes típicos da etnia uigur.

Os três autores do ataque morreram quando o veículo explodiu sob o retrato de Mao Tsé-tung pendurado no Portão Tiananmen. Dois turistas, incluindo uma filipina, morreram quando o veículo atravessou a calçada.

Facas, gasolina e uma bandeira com dizeres religiosos foram encontrados no veículo, segundo a polícia.

Os uigures são muçulmanos turcos nativos da região noroeste de Xinjiang, onde extremistas enfrentam forças de segurança há anos.

Segundo o comunicado, os cinco detidos ajudaram a planejar e executar o ataque, e foram pegos 10 horas depois de sua realização. A polícia afirmou que eles estavam foragidos e foram encontrados com a ajuda dos agentes de Xinjiang e de outras províncias. Não houve qualquer informação sobre como se deu a captura.

"O entendimento inicial da polícia é que o incidente de 28 de outubro é um caso de violento ataque terrorista cuidadosamente planejado e organizado", disse o comunicado.

Com AP

Leia tudo sobre: chinauigurxinjiangpequimpraça da paz celestialtiananmen

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas