Israel liberta mais presos palestinos, mas busca ampliar assentamentos

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Soltura de 2ª leva de prisioneiros é parte de processo de paz; assentamento na Cisjordânia terá 1,5 mil novas casas

Israel libertou nesta quarta-feira (30) 26 presos palestinos como parte de um processo de paz mediado pelos EUA, mas anunciou que mantém planos para construir mais casas para colonos judeus, numa aparente tentativa de agradar israelenses radicais.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Militante palestino levanta pistola durante celebração da soltura de prisioneiro em campo de refugiados na Cisjordânia

Agosto: Israel liberta 1º grupo de presos palestinos como parte de diálogo de paz

Os presos, condenados pela morte de israelenses, foram recepcionados como heróis na Cisjordânia ocupada e na Faixa de Gaza. "Nossos heróis estão vindo para casa, longa vida aos prisioneiros", gritava a multidão em frente à sede do escritório do presidente palestino, Mahmoud Abbas, em Ramallah, na Cisjordânia.

Subterrâneo: Israel encontra túnel na fronteira com a Faixa de Gaza

Na ONU: Presidente palestino defende acordo de paz definitivo com Israel

Issa Abed Rabbo, condenado por assassinar dois excursionistas israelenses em 1984, foi carregado sobre os ombros de simpatizantes pelos becos da cidade bíblica de Belém ao som de rojões e canções patrióticas.

"Minha sensação é a de um comandante regressando da batalha, carregando uma bandeira de vitória e liberdade", disse Abed Rabbo, fazendo um V de vitória com os dedos.

Israel: Soldados matam três palestinos, mas conversas de paz continuam

14 de agosto: Israel e palestinos iniciam negociações de paz

Os presos, encarcerados antes ou logo depois do primeiro acordo de paz provisório entre palestinos e israelenses, há 20 anos, foram soltos como parte de uma anistia limitada, exigida pelos palestinos como condição para a retomada das negociações.

Essa é a segunda leva de prisioneiros a serem soltos desde a retomada do processo de paz, em julho, após um hiato de três anos. Parte da coalizão que governa Israel - principalmente o partido Lar Judaico, favorável aos colonos judeus da Cisjordânia - pressionava o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a cancelar a anistia.

Nove meses: Israel e palestinos estabelecem prazo para alcançar acordo

2012: ONU reconhece de forma implícita Estado Palestino

Paralelamente à libertação, o Ministério do Interior israelense anunciou que levará adiante os planos para a construção de 1,5 mil novas moradias em Ramat Shlomo, assentamento que fica numa área da Cisjordânia vista por Israel como parte de Jerusalém.

O projeto foi anunciado inicialmente em 2010, mas desagradou aos EUA por atrapalhar o processo de paz, e por isso foi arquivado. Em dezembro de 2012, Israel anunciou a intenção de retomar o projeto, mas o arquivou novamente em março deste ano, antes de uma visita do presidente norte-americano, Barack Obama, a Israel.

Infográfico: Saiba os principais fatos do conflito entre Israel e palestinos

Os palestinos, que desejam estabelecer um Estado para si em Jerusalém Oriental, na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, territórios capturados por Israel numa guerra em 1967, condenaram o anúncio das obras. "Essa política é destrutiva para o processo de paz", disse Nabil Abu Rdeineh, porta-voz do presidente palestino, Mahmoud Abbas.

A maioria dos países considera os assentamentos israelenses como ilegais, e os palestinos dizem que esses enclaves inviabilizam a formação de um Estado seu. Israel diz que Ramat Shlomo, como parte do município de Israel, permanecerá sob controle do Estado judeu após um eventual acordo de paz.

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas