Espanha abre inquérito sobre denúncias de espionagem dos EUA

Por Reuters |

compartilhe

Tamanho do texto

Segundo jornal, agência de segurança americana monitorou 60 milhões de telefonemas de espanhóis

Reuters

O Ministério Público da Espanha deu início a um inquérito preliminar nesta terça-feira (29) para averiguar denúncia de que uma agência de inteligência dos Estados Unidos espionou milhões de cidadãos espanhóis.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Placa do lado de fora do gabinete da Agência de Segurança Nacional (NSA)

Revisão geral: EUA avaliam suspender espionagem a líderes de nações amigas

O procurador-geral Eduardo Torres-Dulce autorizou um processo de coleta de informações após o jornal El Mundo publicar, na segunda-feira, reportagem afirmando que os EUA rastrearam mais de 60 milhões de ligações telefônicas de espanhóis, disse o gabinete do procurador em comunicado.

A Espanha convocou o embaixador dos EUA na segunda-feira (28) para discutir as denúncias, similares a reportagens sobre a espionagem dos EUA no Brasil, na França e na Alemanha, que causaram uma rara indisposição diplomática entre Washington e aliados.

Após denúncias: EUA avaliam suspender espionagem a líderes aliados

Chefe da ONU sobre espionagem: Estados devem respeitar lei internacional

O chanceler espanhol, José Manuel García-Margallo, disse que se as reportagens forem verdadeiras, quebrariam um "clima de confiança" entre os dois países.

O El Mundo publicou um gráfico com um documento que seria da Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) mostrando ter espionado 60,5 milhões de ligações telefônicas na Espanha entre 10 de dezembro de 2012 e 8 de janeiro deste ano. A reportagem diz que o documento foi vazado pelo ex-prestador de serviço da NSA Edward Snowden.

Denúncias pelo vazamento de Snowden:
Brasil: Leia todas as notícias sobre a espionagem no Brasil
Alemanha: Merkel cobra explicações de Obama sobre suposta espionagem
70 milhões: Telefones da França foram alvo de espionagem dos EUA
Monitoramento: EUA mantêm ampla base de dados telefônicos
Prism: EUA coletam dados de nove empresas de internet
Jornal: EUA podem usar dados de inteligência sem mandado
Anfitrião: Reino Unido espionou autoridades do G20 em 2009
Guerra cibernética: EUA espionam computadores da China

Em visita à Lituânia nesta terça-feira, García-Margallo reiterou os fortes laços entre a Espanha e os EUA e disse que as negociações por uma acordo de livre comércio não seriam interrompidas.

"Trabalhamos bastante próximos com os EUA a respeito de segurança, temos alguns tópicos comuns em que nossas posições são as mesmas", disse ele em uma conferência.

As revelações de Snowden também abalaram as relações dos EUA com o Brasil, que segundo denúncias foi outro alvo dos programas de espionagem da NSA.

A presidente Dilma Rousseff cancelou uma visita de Estado que faria a Washington este mês após denúncia de que teve suas próprias comunicações pessoais monitoradas pela agência norte-americana.

Leia tudo sobre: euaespanhaespionagem eua europasnowdenfisansaregistros da verizonregistros da nsa

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas