Países pedem o fim da espionagem excessiva e da invasão de privacidade em programas de vigilância internacional

Reuters

Brasil e Alemanha estão preparando uma resolução para a Assembleia-Geral da ONU que vai exigir o fim da espionagem excessiva e da invasão de privacidade, depois que um ex-prestador de serviços da agência de inteligência dos Estados Unidas revelou grandes programas de vigilância internacional, disseram diplomatas da ONU na sexta-feira (25). A presidente Dilma Rousseff e a chanceler alemã, Angela Merkel, condenaram a espionagem generalizada feita pela Agência de Segurança Nacional (NSA) dos EUA.

Conheça a nova home do Último Segundo

Acusações de que a NSA acessou dezenas de milhares de registros telefônicos franceses e monitorou o celular de Merkel têm causado indignação na Europa. A Alemanha disse na sexta-feira que vai enviar seus chefes de inteligência para Washington na próxima semana para buscar explicações da Casa Branca.

Chanceler alemã Angela Merkel usa seu celular em evento em Berlim (20/1/2011)
AP
Chanceler alemã Angela Merkel usa seu celular em evento em Berlim (20/1/2011)

Parlamentares europeus vão aos EUA por esclarecimentos sobre espionagem

The Guardian: EUA monitoraram ligações telefônicas de 35 líderes mundiais

Merkel: Alemanha convoca embaixador dos EUA após denúncia de espionagem

Ligação: Merkel cobra explicações de Obama sobre suspeita de espionagem

Em resposta às divulgações sobre a espionagem dos EUA, muitos delas vindas do ex-técnico da NSA Edward Snowden, as delegações de Brasil e Alemanha na ONU começaram a trabalhar em um projeto de resolução para ser submetido à Assembleia-Geral, de 193 países, afirmaram vários diplomatas da ONU à Reuters.

"Esta resolução provavelmente terá um enorme apoio na AG (Assembleia-Geral), uma vez que ninguém gosta que a NSA os espione", declarou um diplomata ocidental da ONU, sob condição de anonimato.

Resoluções da Assembleia-Geral não são vinculantes, ao contrário de resoluções do Conselho de Segurança, de 15 nações. Mas as resoluções da Assembleia que conseguem um amplo apoio internacional podem ganhar peso moral e político significativo.

Merkel pediu na quinta-feira que Washington faça um acordo de "não-espionagem" com Berlim e Paris até o final do ano, acrescentando que queria ação do presidente Barack Obama, não apenas pedidos de desculpas.

Espionagem, delação e detectores de mentira afetam liberdade de imprensa nos EUA

No mês passado, Dilma usou sua posição como primeira líder mundial a discursar na reunião anual da Assembleia-Geral para acusar os Estados Unidos de violar os direitos humanos e o direito internacional através de espionagem, que incluiria espionagem em seu e-mail.

Dilma também manifestou o seu desagrado ao adiar uma visita de Estado aos Estados Unidos, agendada para este mês, após relatos de que a NSA tinha espionado comunicações e empresas brasileiras.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.