Rússia abranda acusações contra brasileira e outros ativistas do Greenpeace

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Ana Paula Maciel e mais 29 estão presos desde setembro; eles serão acusados por vandalismo em vez de pirataria

A principal agência investigativa da Rússia disse nesta quarta-feira que retirou as acusações de pirataria contra os ativistas do Greenpeace que estão presos e os enquandrou por vandalismo. Entre os ativistas detidos está a brasileira Ana Paula Maciel.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Ativista brasileira do Greenpeace Ana Paula Alminhana Maciel em cela do Tribunal do distrito de Leninsky, Murmansk, Rússia

Apoio: Vencedores do Nobel pressionam Putin por libertação de ativistas

Itamaraty: Brasil pede a Rússia rápida libertação de brasileira ativista

Investigadores: Rússia diz ter encontrado drogas em navio do Greenpeace

Na Rússia, uma condenação por pirataria pode acarretar em penas de até 15 anos na prisão, enquanto o período máximo de prisão por vandalismo é de sete anos.

A divulgação do comunicado do Comitê Investigativo foi feito depois dos comentários do presidente russo, Vladimir Putin, que disse que não acreditava que ativistas do Greenpeace eram piratas.

Reação: Greenpeace faz ato em São Paulo pela libertação de brasileira

Processo: Justiça russa acusa brasileira e outros do Greenpeace de pirataria

O caso: Protesto em plataforma no Ártico termina com tiros e prisões

Um grupo de 28 ativistas do Greenpeace, um fotógrafo russo e uma cinegrafista britânica foram detidos depois que seu navio o Arctic Sunrise foi apreendido pela Guarda Costeira da Rússia depois de protestos do lado de fora de uma plataforma de petróleo da Gazprom em 18 de setembro.

Com AP

Leia tudo sobre: greenpeaceana paula macielbrasilrússiabiologiaártico

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas