'Acordo parcial com Irã é mau acordo', diz premiê de Israel a secretário dos EUA

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Kerry responde que nenhum acordo seria melhor que mau acordo, mas que diplomacia pode resolver impasse nuclear

O primeiro-ministro de Israel afirmou nesta quarta-feira que o mundo não deveria aceitar o que chamou de "acordo parcial" para frear o programa nuclear do Irã - assim como não permite que o governo sírio tenha um estoque de armas químicas.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, e secretário de Estado dos EUA, John Kerry, se cumprimentam durante encontro bilateral na Itália

O premiê Benjamin Netanyahu afirmou ao secretário de Estado dos EUA, John Kerry, que as negociações em curso com o Irã deveriam insistir que Teerã coloque fim ao enriquecimento de urânio, livre-se de quaisquer materiais físseis e feche as usinas e bunkers que, segundo ele, são somente necessárias para a construção de uma bomba atômica.

Novembro: Irã anuncia nova rodada de diálogos sobre programa nuclear

Genebra: Irã apresenta propostas para programa nuclear durante conferência

Mais: Potências dão início a negociações sobre programa nuclear do Irã

"Eu acho que um acordo parcial que deixa o Irã com essas habilidades é um mau acordo", disse Netanyahu a Kerry no início no que seria um longo encontro a portas fechadas em Roma.

"Você sabiamente insistiu que não haveria um acordo parcial com a Síria", disse Netanyahu. "Você estava certo. Se Bashar al-Assad tivesse dito: 'Eu gostaria de mater 20%, 50% ou 80% das minha capacidade de fazer armas químicas', você teria recusado - e de maneira correta."

Ainda assim, Netanyahu previu que "estamos muito próximos" de firmar um acordo com o Irã. "E eu concordo com você que o objetivo é chegar a isso pacificamente", disse.

Infográfico: Saiba mais sobre o mundo nuclear

Israel assiste ansiosamente as novas negociações entre o Irã e as seis potências - EUA, Reino Unido, França, Rússia, China e Alemanha. Netanyahu vem fazendo constantes apelos aos EUA para que não abrandem as sanções econômicas contra Teerã até que a república islâmica desmantele seu programa nuclear.

Kerry insistiu que os EUA continuaria a insistir que o Irã prove ao mundo que seu programa nuclear é pacífico como Teerã alega. Mas as negociações, que tiveram início novamente esse mês, ainda estão longe do nível de restrições ao Irã que Israel deseja.

Um dia antes de conferência: Israel faz alerta sobre programa nuclear do Irã

Genebra: Irã espera que reunião resulte em roteiro para fim de impasse nuclear

"Nenhum acordo é melhor que um mau acordo", disse Kerry. "Mas se isso puder ser resolvido satisfatóriamente, diplomaticamente, é claramente melhor para todos, e estamos buscando oportunidade de sermos capaz disso."

Com AP

Leia tudo sobre: israelprograma nuclearnetanyahukerryeuairãrouhaniromaitália

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas