'Povo americano está farto de Washington', afirma Obama após fim de impasse

Por iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Presidente alerta contra repetição de estratégia para daqui alguns meses, quando vence lei aprovada no Congresso

O presidente dos EUA, Barack Obama, criticou nesta quinta-feira (17) seus opositores republicanos que, segundo ele, prejudicaram a economia e a credibilidade dos EUA, emitindo uma forte repreensão por parte da Casa Branca depois de um prolongado impasse que forçou uma paralisação do governo e deixou o país sob a ameaça de um calote.

Conheça a nova home do Último Segundo

AP
Presidente dos EUA, Barack Obama, faz pronunciamento da sala de jantar da Casa Branca, Washington

EUA: Casa Branca determina volta ao trabalho de funcionários do governo

Conforme o Congresso reabriu o governo americano nesta quinta e permitiu a elevação do teto da dívida, o presidente alertou que o acordo alcançado de última hora alivia, mas não põe fim à profunda crise política e fiscal dos EUA. O governo e os republicanos sabem que o acordo adiou a amarga batalha para daqui a alguns meses. Obama fez um alerta contra a repetição do mesmo ciclo de prejuízos.

"O povo americano está farto de Washington", disse Obama em um tom enérgico. "Provavelmente, nada prejudicou mais a credibilidade dos EUA no mundo do que o espetáculo que assistimos nas últimas semanas."

E Obama criticou seus opositores que forçaram a paralisação de 16 dias do governo e ameaçou os EUA com um calote para lembrar que "desacordo não pode significar disfunção".

Fim de impasse: Câmara aprova acordo, evita calote e encerra paralisação

Capitólio: Senado aprova acordo para elevar teto da dívida e reabrir governo

EUA: Senado chega a acordo para impedir calote e reabrir governo

Milhares de funcionários públicos voltaram a trabalhar nesta quinta depois que a lei foi aprovada nas duas casas do Congresso na noite de quarta-feira e foi sancionada por Obama pouco depois da meia-noite. O acordo foi recebido de forma positiva ao redor do mundo, mas a ansiedade persistia em relação à estabilidade de longo prazo nos EUA.

Obama pediu ação da Câmara em dois assuntos grandes que passaram pelo Senado, controlado pelos democratas, mas travaram nas mãos dos deputados: a reforma do sistema de imigração dos EUA e a aprovação de uma lei agrícola envolvendo US$ 500 bilhões.

Saiba mais: Entenda as consequências de um calote da dívida dos EUA

Resolução de impasse: Parlamentares dos EUA fazem esforço final

Obama também reiterou seu apelo por uma "abordagem equilibrada" em relação ao Orçamento do país -- linguagem que significa que ele quer ver algumas fontes novas de rendimento no Orçamento, tais como fechar brechas na tributação das corporações em vez de simplesmente promover cortes nos gastos do governo. Os republicanos da Câmara descartam a ideia de aumento de impostos.

"Eu entendo que não vamos concordar sobre tudo, de repente, agora que a nuvem da crise já passou. Democratas e republicanos estão distantes em uma série de questões", disse. "E às vezes nós vamos estar muito distantes para fechar um acordo. Mas isso não deve deter nossos esforços em áreas onde nós não concordamos."

Com AP e Reuters

Leia tudo sobre: obamaeuateto da dívidaparalisaçãorepublicanosdemocratascongresso

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas