Corrupção, e não a pobreza, é a maior causa da escravidão; Índia mantém 14 milhões de escravos

Reuters

Quase 30 milhões de pessoas vivem escravizadas no mundo, a maioria homens, mulheres e crianças traficadas por quadrilhas para exploração sexual e trabalho não qualificado, segundo um índice global divulgado na quinta-feira (16) pela ONG Walk Free Foundation.

Leia também: Prefeito de cidade japonesa defende escravidão sexual

O índice classifica 162 países de acordo com o número de pessoas em condições análogas à escravidão, risco de escravização e força das reações governamentais a essa atividade ilegal.

Auditores fiscais em São Paulo investigam primeiro caso de exploração de haitianos em oficinas
BBC
Auditores fiscais em São Paulo investigam primeiro caso de exploração de haitianos em oficinas

O trabalho mostra que dez países respondem por 76% dos 29,8 milhões de casos de escravidão estimados no mundo: Índia, China, Paquistão, Nigéria, Etiópia, Rússia, Tailândia, República Democrática do Congo, Mianmar e Bangladesh.

Veja também: Fiscais resgatam 7 pessoas do trabalho escravo em SP

A escravidão moderna está associada ao tráfico de pessoas, trabalhos forçados e práticas como vinculação por dívida, casamento forçado e venda ou exploração de menores.

O pesquisador Kevin Bales disse esperar que o índice, primeiro relatório anual monitorando a escravidão em nível global, conscientize a opinião pública, pressionando os governos a agir mais.

Ele disse que a corrupção, e não a pobreza, é a maior causa da escravidão, e recomendou leis para impedir a ação do crime organizado.

"Sempre quando analisamos as estatísticas verificamos que a corrupção é mais poderosa do que a pobreza na condução da escravidão", disse Bales, professor de escravidão contemporânea no Instituto Wilberforce para o Estudo da Escravidão e da Emancipação da Universidade de Hull, no norte da Inglaterra. "Fundamentalmente, isso é uma questão de crime violento".

Mais: PF investiga seita acusada de trabalho escravo em Minas Gerais

O relatório mostrou que a Mauritânia é o país com maior número de escravos em relação à população, com 160 mil pessoas escravizadas em um total de 3,8 milhões de habitantes.

Isso se deve a formas culturalmente aprovadas de vassalagem e de índices elevados de casamentos infantis.

Em números absolutos, os países com mais escravos são a Índia (14 milhões) e a China (3 milhões).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.